Carene nasceu a 3 de outubro de 2014, 12 semanas antes do tempo e a pesar menos de um quilo. À mãe, Emma Bond, foi-lhe dito que a filha poderia não sobreviver mais do que três dias. Apesar das circunstâncias, a história teve um final feliz (embora ainda tenha de se aguardar para saber se o bebé ficou realmente bem) e Bond decidiu publicar no Facebook uma fotografia a preto e branco onde é vista a dar de mamar pela primeira vez. O momento era especial e de partilha, segundo explica o Daily Mail, mas a rede social não pensou da mesma forma e removeu-a por alegadamente violar as políticas de nudez da empresa. O incidente aconteceu no passado domingo.

Aos 24 anos, a mãe de dois publicou posteriormente a mesma imagem num website apologista de amamentação, a qual recebeu cerca de 166 mil likes. A simbologia foi contagiante e houve quem tivesse tentado levá-la para o Facebook, nos respetivos perfis, embora sem sucesso. O link em questão foi eliminado na sequência de uma queixa anónima, visto que a foto foi reportada como sendo “ofensiva”, acrescenta o Telegraph.

“É algo muito natural e especial e deveria ser promovido”, disse Emma Bond, citada pelo Daily Mail. “Era a primeira vez que estava a amamentar, pelo que houve uma razão para publicar aquela imagem em particular. Foi um momento especial e vê-la ser retirada no mesmo dia por violar políticas de nudez foi como esfregar sal nas feridas”, explicou.

Emma Bond

D.R.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo um porta-voz da rede social, fotografias relativas à amamentação nunca estiveram contra as regras estabelecidas, mas o mesmo não se pode dizer dos mamilos que devem ser tapados ou escondidos. E sobre a fotografia em questão, o Facebook enviou uma mensagem a Emma Bond a explicar que a remoção ocorrera por engano e que entretanto foi restabelecida. A empresa disse também que as políticas de nudez foram atualizadas no que respeita a amamentação e mulheres que fizeram mastectomias.

Emma Bond, que vive em Oswestry com o companheiro, mostrou-se satisfeita com o resultado. Ao Daily Mail explicou que vê com alguma frequência imagens de crueldade animal no Facebook, entre outros temas polémicos, e que nada do género acontece. Contou também que recebeu centenas de mensagens encorajadoras oriundas de todo o globo: “Ainda não recebi uma explicação ou uma desculpa. (…) Pelo menos teve um impacto positivo. No entanto, é uma vergonha que a amamentação ainda seja desaprovada”.