Com esta missão, a China passou a ser o terceiro país a concretizar a viagem não tripulada, depois dos Estados Unidos e da Rússia.

O veículo espacial, ainda sem nome oficial, foi designado de “Xiaofei” nas redes sociais e aterrou na base de Soziwang, na região autónoma da Mongólia Interior na madrugada de hoje, revelou a agência Xinhua.

A sonda é a primeira desenvolvida pela China para voltar à Terra e o objetivo do projeto foi ensaiar tecnologias de regresso, como o controlo de navegação e o escudo de proteção contra o calor gerado pela entrada na atmosfera.

As equipas de trabalho na Mongólia conseguiram recuperar o equipamento depois deste ter aterrado na zona prevista, a cerca de 500 quilómetros de Pequim.

A sonda percorreu 840.000 quilómetros durante a missão de oito dias, durante os quais foram tiradas fotografias da Terra e da Lua, destacam os meios de comunicação social oficiais chineses.

O processo de reentrada na atmosfera começou às 06h13 locais (23h13 de sexta-feira em Lisboa) e o veículo experimental aproximou-se da Terra a uma velocidade de 11,2 quilómetros por segundo.

Durante o processo, as comunicações foram cortadas já que a velocidade do veículo causou forte fricção com o ar e gerou altas temperaturas que danificaram os sistemas de comunicação.

A China tem desenvolvido nos últimos anos o seu programa espacial recorrendo em grande parte à capacidade técnica dos seus engenheiros militares.