Rádio Observador

Viagens

Portugueses vão viajar mais este réveillon. Saiba os destinos

Este ano, os portugueses vão viajar mais na passagem de ano, mas os destinos continuam a ser os tradicionais.

Rio de Janeiro é um dos destinos mais procurados

Getty Images

Os portugueses vão viajar mais este ano no ‘reveillon’, a preços mais altos, mas maioritariamente para os destinos de sempre. Os dados são da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo, antecipando um crescimento de cerca de entre 8% a 10%.

“As principais operações para o exterior no final do ano estão esgotadas na sua generalidade”, afirmou à Lusa o presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, acrescentando que o aumento das vendas para o ‘réveillon’ está “em linha com o resto do ano”, ou seja “entre 8% e 10%”.

Já os destinos eleitos pelos portugueses não registam grandes surpresas, à exceção de um mercado mais de luxo como é o caso do Oriente e algum reforço da Disneyland Paris, em França.

“Quando falamos em final do ano, sabemos que há dois destinos internos muito importantes que são a Madeira e o Algarve. Sabemos que o Brasil é sempre um destino bastante procurado, não no Nordeste propriamente dito, mas no Sul, no Rio de Janeiro sobretudo porque é um destino muito importante de passagem de ano e sabemos que as operações para Cabo Verde estão esgotadas, não numa ótica de férias de fim de ano, mas de ‘short break’ de fim de ano [viagens de curta duração], de sol e de lazer”, explicou o responsável à agência Lusa, à margem do 40.º Congresso da APAVT, que decorre em Évora.

Para além destes destinos que os portugueses já têm vindo a eleger nos últimos anos, Pedro Costa Ferreira enumera as ‘escapadelas’ para várias cidades europeias, como é hábito, mas “com alguma relevância para a Disney, porque tem a ver com as férias escolares e também porque o Natal na Disney está com uma campanha muito chamativa e um ‘marketing’ muito forte”, adiantou.

Já quanto às viagens de longo curso, “as novas rotas, agora mais consolidadas, para o Dubai permitem outros olhares para o Oriente”, assegura o presidente da APAVT, explicando que dentro de um segmento mais de viagens de luxo, “de viagens de mais alto valor acrescentado”, o Oriente “tem crescido de forma sustentada ao longo do ano e espera-se que no final do ano volte a crescer”.

Questionado se esta é uma tendência a que se está a assistir realmente este ano, Pedro Costa Ferreira esclarece que “coincide com a recuperação” que se tem verificado da procura de viagens por parte dos portugueses.

“Vendem-se pacotes do ponto de vista do mercado como um todo. Se falarmos em turismo de massas não é tão significativo, mas há um mercado relacionado com as viagens de mais alto custo e aí sim, neste momento está o Oriente. A verdade é que do ponto de vista da relação qualidade-custo o Oriente dá cartas, é muito competitivo, tem uma cultura de serviço muito forte e para quem gasta mais dinheiro é possível fazer coisas muito boas”, afirmou ainda.

Já sobre os preços a que estas viagens estão a ser vendidas de uma forma global, o presidente da APAVT afirma que, “em média, os preços estão mais elevados que no ano passado”.

Facto que faz o responsável realçar dois aspetos: que o crescimento das agências de viagens “tem sido consolidado”, mas sobretudo que “este ano houve uma grande adequação, e muito inteligente, no mercado das ofertas ‘charter’ relativamente à procura” e, quando assim acontece, “o preço sobe de imediato”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)