O grupo ´jihadista´ do Estado Islâmico (EI) decapitou quatro homens na província de Homs, no centro da Síria, por insultar “Deus”, indicou neste sábado o Observatório Sírio dos Direitos Humanos. As quatro pessoas foram executadas com uma arma branca perante vários habitantes locais, numa zona próxima da cidade de Homns, capital da província homónima.

Embora a ´sharia´(lei islâmica) estabeleça a pena de morte sem exceção para todas as pessoas que insultem o profeta Maomé, também estipula que todos os que insultam Alá [Deus no mundo islâmico] devem ter a oportunidade de se retratarem.

O EI não executa apenas as pessoas acusadas de atacar o Islão, criticar o seu grupo ou colaborar com as autoridades sírias e iraquianas, mas também os seus próprios dirigentes no caso de corrupção ou desobediência. Os ´jihadistas´ fazem execuções sumárias de soldados sírios ou iraquianos capturados ou membros dos clãs acusados de cooperar com os governos desses países. A 30 de outubro, o EI executou 150 polícias e milicianos do clã tribal Albunamr, na localidade de Hit, a 70 quilómetros a oeste de Ramadi, capital da província iraquiana de Al Anbar.