Uma queda na sua casa na Patagónia vai impedir a Presidente da Argentina, Cristina Kirchner, de assistir à tomada de posse de Dilma no dia 1 de janeiro em Brasília. A governante partiu o tornozelo e só vai poder retomar as visitas oficiais em fevereiro, perdendo assim um momento de apoio a uma aliada muito próxima nos últimos anos.

Para além da tomada de posse, Kirchner vai ainda faltar a uma visita oficial ao Vaticano para se encontrar com o Papa Francisco, o primeiro argentino a exercer este cargo. A visita a Francisco seria em conjunto com a presidente do Chile, Michelle Bachelet. Kirchner terá escorregado no chão da sua casa, partido o tornozelo e por isso vai suspender as viagens ao estrangeiro.

Os últimos anos têm sido repletos de problemas de saúde para a Presidente da Argentina que em novembro teve uma infeção no cólon e por isso teve de suspender vários eventos e no ano passado foi sujeita a uma intervenção para estancar uma hemorragia no cérebro. A presidente foi diagnosticada em 2012 como tendo cancro na tiróide, mas uma biopsia mostrou que a presidente não teria cancro, segundo disse posteriormente o seu porta-voz.