435kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Como eles eram e como estão

Este artigo tem mais de 5 anos

A pressão e o desgaste são um dos lados da moeda da vida política. O Observador comparou o antes e o depois de alguns governantes e mostra-lhe o resultado de anos à frente dos destinos do país.

Pedro Passos Coelho está há três anos e meio no cargo de primeiro-ministro
i

Pedro Passos Coelho está há três anos e meio no cargo de primeiro-ministro

AFP/Global Imagens

Pedro Passos Coelho está há três anos e meio no cargo de primeiro-ministro

AFP/Global Imagens

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quando a 27 de novembro Pedro Passos Coelho deu uma entrevista à RTP, onde falou, entre outras coisas, sobre a detenção de José Sócrates e a falência do BES, as declarações que proferiu tinham tudo para marcar a atualidade informativa – e marcaram, naturalmente. Mas nas redes sociais o assunto principal era outro: discutia-se os sinais de envelhecimento do primeiro-ministro e comparava-se o antes e o depois. Foram três anos e meio de mandato difíceis para Passos: herdou um país sob a intervenção da troika, teve de lidar com a crise no BES, com a polémica em torno da Tecnoforma e com as crises na coligação com o CDS.

Mas Passos Coelho, de 50 anos, não é caso único: todos os que se sentaram em Belém ou em São Bento sofreram na imagem (e no corpo) o desgaste do cargo. António Guterres, primeiro-ministro entre 1995 e 2002, é exemplo disso: demitiu-se em dezembro do ano anterior na sequência dos resultados negativos do Partido Socialista nas autárquicas, mas o desgaste do Governo socialista, que ficou a um deputado de conseguir ter maioria absoluta e foi obrigado a entendimentos pontuais na Assembleia da República, já vinha de trás.

O então primeiro-ministro sempre se preocupou com a sua imagem, aliás, foi notícia quando usou a foto da campanha eleitoral de 1995 nos materiais de propaganda em 1999 – Edson Athayde, responsável pelo marketing e comunicação dessa campanha, admitiu que a decisão de repetir a fotografia se justificava porque “não havia nenhuma [outra] tão boa como aquela e António Guterres estava mais gordo” quatro anos depois de se ter tornado primeiro-ministro. Hoje, Guterres é alto-comissário da ONU para os Refugiados, cargo que ocupa desde 2005.

As imagens abaixo são interativas. Mova o cursor para ver as diferenças.

As fotografias escolhidas marcam o início e o final de mandato dos homens que lideraram o país nos últimos anos. Aníbal Cavaco Silva, 75 anos, iniciou o mandato de Presidente da República em 2006. Já antes tinha sido primeiro-ministro durante dez anos, entre 1985 e 1995. Abandona Belém no próximo ano.

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, foi ministro da Defesa e parceiro de coligação no Governo de Durão Barroso, entre 2002 e 2005. Em 2011, voltou a coligar-se com o PSD, desta vez, com Passos Coelho. Tem 52 anos e dos líderes aqui retratados é aquele em que se nota menos diferenças físicas no antes e depois.

Um ano mais velho que Portas, António Costa, ex-ministro de Guterres e de José Sócrates, abandonou o Governo socialista em 2007 para se candidatar à Câmara Municipal de Lisboa. Foi reeleito em 2013, mas entretanto decidiu concorrer a secretário-geral do PS e será candidato a primeiro-ministro.

O último exemplo é precisamente o de José Sócrates. O antigo secretário-geral do PS tornou-se primeiro-ministro de Portugal em 2005, depois de o Governo de Santana Lopes ter sido demitido pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio. Tinha 54 anos quando deixou o cargo, que perdeu para Passos. Na despedida pediu: “Meus amigos não tornem isto ainda mais difícil”.

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.