O jornal judeu ultraortodoxo HaMvaser publicou, tal como grande parte dos jornais a nível mundial, uma foto da marcha dos líderes mundiais em Paris na marcha contra o terrorismo e em homenagem aos 12 mortos no ataque ao jornal satírico francês Charlie Hebdo, mas na foto, Angela Merkel e Frederica Mogherini não estão presentes.

Não que o jornal tenha escolhido uma foto sem mulheres. A foto era a mesma que a utilizada por grande parte dos jornais a nível mundial, da linha da frente da marcha dos líderes mundiais presentes em Paris. Mas o HaMvaser decidiu editar a foto para apagar as mulheres da imagem.

Na linha da frente da manifestação estavam Angela Merkel, chanceler alemã, e Frederica Mogherini, a chefe da diplomacia externa da União Europeia.

Foto original

A foto do antes

Extrema direita

A versão sem mulheres editada pelo jornal

O ‘apagão’ das mulheres da fotografia dos líderes mundiais em Paris acontece porque as regras dos Haredi, uma vertente ultraortodoxa do judaísmo, proíbe a publicação de imagens de mulheres, porque considera que o corpo feminino não é modesto e deve ser tapado.

Em Israel, em alguns mercados judeus, há grupos de mulheres que fazem parte deste grupo ultraconservador que fazem patrulhas para mandar as mulheres taparem-se sempre que estas usarem roupas que de alguma forma mostrem as formas femininas, ou que demonstrem pele (mangas curtas e camisolas de alças são amplamente criticadas pelos Haredi).