Hepatite C

Paulo Macedo garantiu que vai averiguar a situação “até às últimas consequências”

Ministro da Saúde reuniu com dois familiares de doentes com hepatite C e garantiu que vai investigar a situação. Doente que morreu na sexta-feira podia ter acedido ao medicamento sem custos públicos.

Paulo Macedo diz que a indústria farmacêutica não pode ficar "impávida e serena" a ver as pessoas a morrer

© Hugo Amaral/Observador

Depois de ter estado reunido com os familiares que assistiram à comissão parlamentar do setor, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, terá garantido que “vai averiguar até às últimas consequências” e que “vai responder pessoalmente” aos familiares sobre esta situação, referiu David Gomes, filho de uma mulher que morreu recentemente com hepatite C, à saída da reunião.

Durante os cerca de 45 minutos em que estiveram reunidos, Paulo Macedo terá explicado aos familiares das doentes que tem tentado negociar com a farmacêutica responsável pela produção do medicamento em causa a redução do preço para que cheguem, não a uma centena de pessoas, mas a milhares. David Gomes refere que o ministro frisou que a farmacêutica tem lucros de 5.000% com a venda deste medicamento.

À saída da reunião, Paulo Macedo disse que, atualmente, está em estudo um “procedimento excecional para que a indústria possa disponibilizar o medicamento a preços comportáveis pelo sistema nacional de saúde”. Mas o ministro acrescenta que não chega baixar uns euros, os preços têm de baixar consideravelmente para que mais doentes possam ter acesso ao tratamento. “A indústria farmacêutica não pode ver morrer pessoas e ficar impávida e serena.”

Paulo Macedo lembrou que “nem todos os doentes têm indicações para tomar o medicamento”, mas David Gomes questiona-se sobre quais são os critérios e porque é que a mãe dele, que morreu recentemente, não foi considerada uma doente em estado crítico com acesso à terapêutica. O ministro garantiu que iria averiguar e responder pessoalmente sobre esta situação.

Enquanto o ministro da Saúde referia que era necessário “encurtar os tempos entre a decisão clínica e o início do tratamento”, o filho de uma doente dizia que “esperar que os doentes estejam numa fase avançada pode não ser a melhor solução”, lembrando a situação da mãe que está num estado muito avançado da doença e que teve de interromper a terapêutica devido a complicações.

Os dois familiares das doentes estiveram a assistir à comissão parlamentar da saúde, uma situação que pode ser inédita, mas permitida desde que os cidadãos não se manifestem. Um terceiro cidadão presente foi expulso da sala onde decorria a comissão parlamentar por ter feito uma intervenção não autorizada.

Doente podia ter tido acesso ao medicamento sem custos para o Estado 

A Gilead, farmacêutica norte-americana responsável pelo medicamento inovador, explicou que a doente poderia ter tido acesso ao medicamento sem qualquer custo para o Estado, segundo o Público e a Renascença. Não o teve porque a empresa não recebeu a encomenda para a utilização do medicamento no tratamento da doente.

O processo começou há três meses, quando a doentes estava a ser seguida no Hospital Egas Moniz, em Lisboa, explicou a farmacêutica à Renascença. Na altura, não existia enquadramento legal para que a farmacêutica pudesse fornecer gratuitamente o fármaco. Isso mudou a 31 de dezembro, quando o Infarmed avançou que o fornecimento do medicamento seria enquadrável no “novo regulamento relativo ao programa para acesso precoce a medicamentos, sem custos para o SNS”.

A 9 de janeiro, a Gilead comunicou disponibilidade para “fornecer o medicamento à referida doente sem custos para o SNS”, mas até à data não recebeu qualquer nota de encomenda.

A 16 de Janeiro, a Gilead acordou com o Ministério da Saúde que os 100 doentes mais urgentes podiam aceder ao medicamento, sem custos. A farmacêutica afirmou ainda querer”concluir o mais depressa possível o processo de comparticipação o seu medicamento para a hepatite C – Sofosbuvir – e assim garantir o acesso adequado aos mesmos em Portugal”.

*Atualizado às 18h31 com informação sobre a farmacêutica. 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)