Rádio Observador

Sushi

Afinal, podemos ou não comer sushi à segunda-feira?

149

Não falta quem acredite piamente na máxima que diz que comer sushi à segunda-feira é um risco. Mas será que essa assunção faz algum sentido? Foi o que perguntámos a cinco especialistas no assunto.

Autor
  • Tiago Pais

É daquelas verdades quase dogmáticas em que meio mundo acredita sem refletir muito sobre isso: se não há peixe à segunda-feira, logo não se deve comer peixe em restaurantes nesse dia. Sushi, então, nem pensar. Mas será que há algum fundamento científico por detrás desta crença generalizada? O peixe que se come nos melhores restaurantes de sushi será mesmo do próprio dia? Será que se corre algum risco em quebrar a máxima?

O Observador falou com cinco pessoas que estão intimamente ligadas ao mundo do peixe, do dono de um dos restaurantes de sushi mais concorridos do país à peixeira mais famosa da capital. Eis o que eles têm a dizer sobre o assunto.

Hugo Ribeiro (dono do restaurante Sushic)

Comer sushi à segunda-feira é o mesmo que comer noutro dia qualquer. É muito raro, em restaurantes de sushi, o cliente estar a comer peixe do próprio dia, por isso desde que se cumpram todas as condições de refrigeração, ele aguenta-se dois e três dias sem qualquer problema. Por isso, o que fazemos no Sushic é comprar mais quantidade com antecedência já a contar com segunda-feira. E é um dos dias em que costumamos ter mais gente, já que a maior parte dos restaurantes do género estão fechados.”

Filipe Rodrigues (chef / sushiman, ex-Sea Me, Bonsai e Midori)

Tem tudo a ver com as condições em que o peixe é armazenado, mas, em princípio, não haverá problema nenhum em comer peixe fora a uma segunda-feira. Aliás, acontece muitas vezes as pessoas à terça-feira estarem a comer peixe de sexta ou de sábado. O problema com o peixe é que se a refrigeração não for bem feita, à temperatura correta, podem aparecer bactérias. Mas, por exemplo, os atuns com mais gordura aguentam-se fresquíssimos durante vários dias. No Sea Me, o dia em que vendíamos mais peixe, curiosamente, era à segunda-feira, porque as pessoas chegavam lá, viam aquela montra recheada e nos outros sítios não havia nada.”

Açucena Veloso (vendedora de peixe no Mercado 31 de Janeiro, em Lisboa, fornecedora de diversos restaurantes)

Essa história de que não se deve comer peixe à segunda-feira é tudo da cabeça das pessoas. Elas é que têm essa mania, mas não faz sentido nenhum. Se o peixe for bom e fresco aguenta à vontade três e quatro dias. As pessoas não vão comer peixe fora à segunda mas se forem na terça ou na quarta arriscam-se a estar a comer peixe de sábado na mesma. Eu posso dizer-lhe que à segunda-feira, como é o meu dia de folga, aproveito sempre para ir comer fora com o meu marido e eu só como peixe, por isso está a ver…isso não faz mesmo sentido nenhum.”

Aron Vargas (sushiman responsável pelo AronSushi)

Primeiro que tudo está o chef e a forma como ele trata do peixe. Toda a gente sabe que o peixe de segunda-feira na verdade é de sábado mas se o tratamento, o manuseio e a forma como se guarda for a mais correta não há qualquer problema, o bom peixe aguenta-se vários dias em perfeitas condições. No Aron abrimos à segunda-feira e a qualidade do que serivmos é igual a todos os outros dias.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)