Milhares de russos começaram a juntar-se ao início da tarde de hoje (hora local) em Moscovo para participar numa marcha de homenagem a Boris Nemtsov, oposicionista e antigo vice-primeiro-ministro russo, assassinado sexta-feira junto ao Kremlin.

Segundo contas das agências internacionais, serão pelo menos 10 mil os manifestantes, que empunham cartazes onde pode ler-se “morreu pelo futuro da Rússia” ou “lutou por uma Rússia livre”. A polícia, por seu lado, aponta para sete mil manifestantes, numa marcha que foi autorizada pelas autoridades russas.

“Não tenho medo”, “Luta” e “A propaganda mata” são outras mensagens exibidas pelos manifestantes, que na sua maioria empunham bandeiras russas com faixas negras e retratos do político assassinado. A marcha, encabeçada por uma faixa com a inscrição “Os heróis não morrem”, começou num clima de calma, sem incidentes, e de forma silenciosa.

A polícia de Moscovo, que destacou um efetivo numeroso para garantir a segurança da manifestação, instalou no local da concentração, junto ao Kremlin, pórticos de controlo de armas, onde se registaram grandes aglomerações de pessoas que queriam aceder ao percurso da marcha. A marcha passará pela ponte próxima do Kremlin onde Nemtsov foi abatido com quatro disparos a partir de um carro.

A oposição atribuiu a morte de Nemtsov à intolerância face à dissidência que reina no país. “As autoridades criaram um clima de ódio, inimizade e perseguição ao catalogar como traidores a oposição. Tudo isto não podia acabar de outra forma”, disse o ex-deputado russo Guennadi Gudkov, citado pelas agências internacionais.

Em São Petersburgo, a segunda maior cidade da Rússia, pelo menos 2.500 pessoas concentraram-se também para homenagear a memória do opositor.

Boris Nemtsov, de 55 anos, copresidente do Partido Republicano da Rússia, foi alvejado na noite de sexta-feira quando passeava perto do Kremlin.

A morte de Boris Nemtsov foi condenada pela comunidade internacional e o presidente russo, Vladmir Putin, prometeu fazer todos os possíveis para levar à Justiça os responsáveis pelo assassínio do opositor Boris Nemtsov.