O Serviço Federal de Segurança (FSB, antigo KGB) da Rússia anunciou este sábado a detenção de dois suspeitos do assassinato do opositor russo, Boris Nemtsov, moro a tiro a 28 de fevereiro à frente do Kremlin.

“Hoje foram detidos dois suspeitos de terem cometido o crime. Trata-se de Anzor Gubashev e Zaur Dadáev”, afirmou o chefe do FSB, Alexandr Bórtnikov, à televisão pública russa. Os detidos são originários do Cáucaso e terão sido identificados através da viatura alegadamente usada para cometer o crime e por registos de telefonemas, mas as investigações prosseguem. O presidente russo já foi informado da detenção dos suspeitos de terem assassinado o seu opositor.

Boris Nemtsov, de 55 anos, um reconhecido crítico de Putin e um defensor da luta anticorrupção, foi morto a tiro a alguns metros de distância do Kremlin, pouco antes da meia-noite a 28 de fevereiro, quando seguia a pé com a namorada, ucraniana, depois de ter dado uma entrevista a uma rádio sobre o protesto da oposição que estava a organizar.

A agência russa Interfax avança que as investigações à morte de Nemtsov poderão conduzir a pistas fora do país. Putin avisou esta semanas as forças policiais russas para estarem atentas a ataques extremistas que visem provocar conflitos civis como o que se vive na Ucrânia.