O IV Programa Indicativo de Cooperação (PIC) entre Cabo Verde e o Luxemburgo (2016/20), a assinar na quinta-feira terá um financiamento de 45 milhões de euros, menos 15 milhões do que o anterior. A indicação foi avançada à agência Inforpress pelo encarregado de negócios da embaixada do Luxemburgo em Cabo Verde, Marc de Bourcy, que referiu que o financiamento será formalizado durante a visita oficial que o Grão Duque Henrique do Luxemburgo fará entre terça-feira e quinta-feira ao arquipélago.

Marc de Bourcy garantiu que o Luxemburgo vai continuar a apoiar Cabo Verde e que este novo acordo, a assinar na Ribeira Grande, na ilha de Santo Antão, que foi a primeira localidade a ser beneficiada pela Cooperação Luxemburguesa, vai abranger as áreas da educação, água e saneamento, saúde, energia renováveis e economia marítima.

“Será necessário aprofundar e dinamizar esse apoio para que o Luxemburgo continue a apoiar Cabo Verde”, adiantou Marc de Bourcy, salientando que o IV PIC será inovador e irá centrar-se em “setores-chave e estruturantes” para o desenvolvimento do país e para a melhoria de vida da população. Além destes setores, que considerou essenciais para o desenvolvimento do país, Marc de Bourcy adiantou que o IV PIC vai ajudar o arquipélago na elaboração do Plano Estratégico das Energias Renováveis e na Estratégia de Transição Energética, já que Cabo Verde se situa numa região privilegiada.

Marc de Bourcy considerou que a cooperação bilateral é “dinâmica, diversa e de longo prazo”, pois o apoio inclui também infraestruturas nas áreas da saúde, educação, água e saneamento, mas sempre centralizado no investimento do capital humano. Além desses apoios, lembrou que o Luxemburgo já financiou outros projetos, como a Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde, Escola Técnica do Porto Novo, Liceu do Fogo, Hospital em Santo Antão, entre outros.

O IV PIC, que regressa aos valores do II, será assinado pelo ministro das Relações Exteriores de Cabo Verde, Jorge Tolentino, e pelo ministro da Cooperação e da Ação Humanitária do Luxemburgo, Romain Schneider. O III PIC 2010-2015 atribuiu a Cabo Verde 60 milhões de euros para projetos nos setores de formação profissional, água, saneamento, ajuda alimentar, educação, microfinanças, inserção socioprofissional, atividades geradoras de rendimento, apoio a pequenas e médias empresas e indústrias, energias renováveis e apoio à saúde escolar.

Durante a estada em Cabo Verde, o grão-duque inaugurará o Centro de Energia Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI) e a residência de estudantes da Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde (EHTCV), projeto que, tal como o próprio estabelecimento de ensino, foi financiado pela Cooperação Luxemburguesa.