O secretário-geral do PS, António Costa, disse que as próximas legislativas é que se realizam “muito tarde” e não a apresentação do programa de Governo socialista, já que o partido apresenta propostas todos os dias.

Questionado se a data escolhida para a apresentação do programa de governo do PS, a 6 de junho, será tardia, António Costa respondeu: “O que é muito tarde é o Presidente da República ter adiado o direito dos portugueses e a vontade dos portugueses de se expressarem e escolherem um novo Governo para final de setembro, isso é que é muito tarde”.

“Os portugueses já não querem saber nada deste Governo, já não têm nada a pedir a este Governo e olham para o PS com ansiedade a dizer ‘quando é que podemos votar no PS para mudar de Governo’”, acrescentou.

Em declarações aos jornalistas no final de uma visita a uma casa de saúde em Belas, no concelho de Sintra, o secretário-geral do PS defendeu que o partido apresenta propostas “todos os dias” e deu como exemplo as contribuições em sede de Orçamento do Estado, a manutenção da cláusula de salvaguarda do IMI, a suspensão das penhoras das casas de morada de família por dívidas ao fisco ou à segurança social, ou o “pacote para a reanimação da economia”.