O presidente da Comissão Europeia quer que os governos da zona euro encontrem uma solução para os problemas da Grécia que respeitem a “dignidade” do país. Jean-Claude Juncker afirmou que a Grécia enfrenta uma “crise humanitária” e a Europa tem de “ter amor pelo povo grego”.

“Temos de dar uma resposta” perante os problemas da Grécia, alertou Jean-Claude Juncker na noite de segunda-feira numa conferência da “Friends for Europe” e do Instituto Jacques Delors, em Bruxelas. O presidente da Comissão Europeia lembrou que na zona euro “há 19 democracias” e lamentou: “não gosto deste jogo de 18 contra um”, numa referência às negociações no Eurogrupo que no último dia 20 de fevereiro adiaram em quatro meses a conclusão do segundo resgate mas deixaram a Grécia com um problema de financiamento para o qual ainda não existe solução.

Citado pela Reuters, Jean-Claude Juncker defendeu que “temos de ter amor pelo povo grego”, instando os líderes europeus a respeitarem a “dignidade” da Grécia. Juncker recupera, assim, uma expressão que já tinha causado polémica, a 19 de fevereiro, quando o presidente da Comissão Europeia disse que a troika “pecou contra a dignidade” de países como Portugal e Grécia.

“Sou contra a saída da Grécia da zona euro”, rematou Juncker, admitindo que os “riscos sistémicos” de uma saída seriam menores do que há alguns anos mas avisando que existiriam “outros riscos”, sobre os quais não elaborou. “A integridade da zona euro tem de ser mantida”, atirou.