O Comissário Europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, garante que a Europa tem uma “vontade enorme” em manter a Grécia na zona euro. Até porque isso criaria o risco de que “toda a gente poderia começar a perguntar-se quem é o próximo“. Mas o francês garante que a permanência da Grécia na união monetária não será admitida “a qualquer preço”.

“Não iremos manter a Grécia na zona euro a qualquer preço”, diz Pierre Moscovici, em declarações ao jornal alemão Die Welt, citadas pela Reuters. “Acidentes financeiros podem acontecer, pelo que a nossa missão não é organizar uma saída da zona euro mas evitá-la”, notou o responsável, em resposta a uma questão sobre o risco de que as dificuldades financeiras da Grécia possam resultar numa falha de pagamentos que culmine com a emissão de moeda própria e a saída do país da união monetária.

Se isso vier a acontecer, Pierre Moscovici acredita que “toda a gente poderá começar a perguntar-se quem é o próximo“. Assim, para que seja possível evitar esse cenário, Moscovici diz que é essencial encontrar um acordo e “condições rígidas, que sejam aceitáveis para ambos os lados”. O francês acrescentou, também, que um eventual terceiro pacote de resgate para a Grécia terá necessariamente de ter contornos diferentes dos dois anteriores programas.

Porta-voz do governo diz que é necessária “solução política” para a Grécia

A Grécia está, apesar da extensão por quatro meses do programa acordada a 20 de fevereiro, em grandes dificuldades financeiras, enquanto decorrem as negociações técnicas com vista à conclusão da última avaliação relativa ao segundo resgate, iniciado em 2012.

O porta-voz do governo grego, Gabriel Sakellaridis, argumenta, neste contexto, que “é necessária uma solução política” para os problemas financeiros de Atenas. Assim, o representante diz que a Alemanha e França terão de “usar o seu peso” para que isso aconteça. O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, pediu na terça-feira uma reunião com Angela Merkel, François Hollande, Mario Draghi e Jean-Claude Juncker, à margem da cimeira europeia que se realiza esta semana e pouco antes de se reunir com Angela Merkel, em Berlim, o que acontecerá na próxima segunda-feira a convite da chanceler alemã.