Rádio Observador

Esclerose Lateral Amiotrófica

FDA pressionada para acelerar aprovação de novo medicamento contra ELA

1.194

Pode vir a ser um balde de água fria. Há um novo e promissor medicamento para a esclerose lateral amiotrófica, mas a FDA ainda não autorizou a utilização extraordinária.

O cientista britânico Stephen Hawking tem esclerose lateral amiotrófica (ELA) há várias décadas

Getty Images

A FDA (Food and Drug Administration, organização que controla os medicamentos e alimentos nos Estados Unidos da América) está a ser pressionada a autorizar de forma extraordinária uma nova droga para os doentes de esclerose lateral amiotrófica (ELA). Chama-se GM604 e é produzida pela Genervon, uma empresa de biotecnologia com sede na Califórnia.

A GM604 foi testada em 12 pacientes com ELA e os resultados são muito promissores na melhoria da qualidade de vida e longevidade, o que justifica, de acordo com a companhia de biotecnologia, o pedido de aceleração de aprovação junto da FDA. Na prática, esta solicitação tem por objetivo obter autorização para saltar algumas etapas nos processos de análise que precedem a comercialização de um medicamento. São ensaios laboratoriais e clínicos que, além de caros, são demorados. Estes pedidos têm um caráter excecional e estão contemplados nos regulamentos da FDA.

Os pedidos de aprovação excecional não são raros e aplicam-se a tratamentos para doenças fatais, como por exemplo o cancro. A esclerose lateral amiotrófica também se enquadra neste contexto, mas a carga social desta doença foi projetada pelo Ice Bucket Challenge, um desafio (do banho gelado) que dominou as redes sociais no ano passado.

A ELA é uma doença neurodegenerativa caracterizada pela destruição dos neurónios responsáveis pelo movimento. A evolução lenta e incapacitante desta doença foi o mote para o filme “A Teoria de Tudo” (2014), filme que conta a história do físico e cosmólogo Stephen Hawking (73 anos), um dos pacientes de ELA com história de maior longevidade. O tempo médio de sobrevivência para os doentes com ELA, depois do diagnóstico, está entre os três e os cinco anos.

Os números e características da doença deram origem a uma onda de pressão junto da FDA para que o programa de aceleração seja aprovado. O The Washington Post relata que diversas associações têm vindo a promover ações como a publicação de vídeos emotivos e uma petição que já ultrapassou mais de meio milhão de assinaturas.

A situação é delicada. Por um lado, os métodos de análise da FDA visam garantir a máxima segurança para o paciente no momento em que o medicamento é comercializado. Do outro, estão milhões de doentes com a vida presa por uma doença profundamente incapacitante. Eric Valor, um doente de ELA com 46 anos de idade, sublinha que a relação da aparente segurança da nova droga com o respetivo potencial faz dela um forte candidato para o lóbi de pressão junto da FDA, ou seja, para que seja utilizado em doentes terminais: “É o balanço entre a esperança e a ciência.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)