A quinze dias de mais uma reunião decisiva para a Grécia, o primeiro-ministro grego, com os pés em solo russo, disse estar otimista de que a União Europeia vai encontrar uma solução para ajudar os gregos. E porquê? Para Alexis Tsipras, o receio dos elevados custos para a Europa de uma quebra nas negociações vai levar os parceiros a encontrar uma solução.

Depois de ter reunido com Vladimir Putin e de ter saído do encontro com um plano de ação para dois anos – que pouco mais tem que um plano de intenções de investimento da Rússia e de estreitamento de laços -, Tsipras insistiu, tanto na conferência de imprensa que deu na quarta-feira em Moscovo, como na que deu esta quinta-feira ainda na Rússia, que os problemas gregos são problemas europeus:

“A Rússia não é solução para as negociações da Grécia com a União Europeia”, disse o líder do governo grego.

Tsipras está otimista porque acredita que só a perceção por parte dos parceiros europeus do elevado custo para a União Europeia de não haver um entendimento no Eurogrupo de dia 24 de abril, chegará para levar os parceiros europeus a procurar uma solução. “O custo de não haver acordo é maior para a União Europeia”, disse.

As declarações do primeiro-ministro acontecem num dia em que a Grécia garante que já fez o pagamento de 448 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional.