O ministro da Economia, António Pires de Lima, fez “contas rápidas” às medidas propostas no plano macroeconómico do PS, apresentado na terça-feira, e disse que vão custar 2,2 mil milhões de euros aos contribuintes já em 2016 Segundo Pires de Lima, a soma das várias medidas apresentadas representa “uma fatura nova para os contribuintes portugueses de, pelo menos 2,2 mil milhões de euros, já em 2016”, fatura esta que iria crescendo na nova legislatura caso o Partido Socialista fosse governo.

“Uma fatura despesista que me faz concluir que estão de regresso algumas das promessas, ilusões e deslumbramentos que marcaram um governo de que o Dr. António Costa foi n.º 2 e responsável político”, sublinhou o ministro, à margem do 7.º Congresso da Confederação dos Agricultores de Portugal, que decorre hoje e quinta-feira no Estoril.