O ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, voltou este domingo a utilizar a rede social Twitter para partilhar o seu estado de espírito, algo que há várias semanas não fazia. Menos de 48 horas depois de uma reunião dos ministros do Eurogrupo em que terá sido alvo da fúria de alguns dos seus colegas que o responsabilizam pela demora nas negociações para a conclusão do segundo programa de ajustamento, o grego escolheu uma citação do falecido Presidente norte-americano Franklin Delano Roosevelt (FDR) para mostrar como o responsável regista o tratamento que está a receber dos outros ministros. E como garante que isso não o afeta.

A citação de FDR, que data de 1936, pode traduzir-se da seguinte forma: “Eles são unânimes no seu ódio em relação a mim; e eu dou as boas vindas a esse ódio“. Yanis Varoufakis acrescenta um comentário em que diz que esta é uma citação “muito próxima do meu coração (e da realidade) por estes dias“.

Consciente da exposição mediática que conquistou, Varoufakis responde, assim, através do Twitter às críticas que lhe foram feitas na reunião do Eurogrupo de sexta-feira, em Riga. Críticas que foram amplamente descritas por toda a imprensa económica internacional. O Observador, que esteve em Riga a acompanhar esta reunião, constatou que a falta de progressos nas negociações com a Grécia gerou acesa discussão e levou mesmo alguns países a defenderem que a zona euro tem de estudar um plano de contingência para o caso das negociações não serem concluídas com sucesso. A Eslovénia fez a sugestão, apoiada pela Eslováquia e pela Lituânia. A Grécia ouviu ainda palavras duras da Letónia e da França.

Yanis Varoufakis era mais prolífico na rede social nas primeiras semanas depois de assumir a pasta das Finanças, mas assumiu recentemente uma atitude mais recatada depois de ter sido alvo de algumas críticas acusando-o de não estar a facilitar a obtenção de um acordo entre as partes, designadamente por não deixar os representantes dos credores terem acesso a documentos oficiais sobre as contas do Estado.

Excluindo respostas esporádicas a outros tweets, a última entrada (de cariz pessoal) na página oficial do ministro tinha sido uma reprodução de um cartoon que faz ironia com a forma como, na opinião do cartoonista, o governo grego está a ser visto como “ganancioso” quando faz pedidos como o aumento do salário mínimo.