País

António Costa envia SMS polémico a diretor-adjunto do jornal Expresso

8.220

SMS foi enviado na noite de 25 de abril a João Vieira Pereira, acusando-o de fazer "julgamentos de caráter". Jornalista ainda pensou tratar-se de um "engano", como revelou esta sexta-feira no jornal.

António Costa diz que enviou SMS ao jornalista porque não valia a "pena" processá-lo

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O secretário-geral do Partido Socialista, António Costa, enviou um SMS polémico a um dos diretores-adjuntos do semanário Expresso, na noite do 25 de abril, a propósito de um texto que o jornalista especialista em Economia escreveu sobre as propostas económicas apresentadas pelo PS. João Vieira Pereira revela esta sexta-feira na íntegra a mensagem que recebeu do líder socialista, afirmando que chegou a pensar tratar-se de um “engano”.

Senhor João Vieira Pereira. Saberá que, em tempos, o jornalismo foi uma profissão de gente séria, informada, que informava, culta, que comentava. Hoje, a coberto da confusão entre liberdade de opinar e a imunidade de insultar, essa profissão respeitável é degradada por desqualificados, incapazes de terem uma opinião e discutirem as dos outros, que têm de recorrer ao insulto reles e cobarde para preencher as colunas que lhes estão reservadas. Quem se julga para se arrogar a legitimidade de julgar o carácter de quem nem conhece? Como não vale a pena processá-lo, envio-lhe este SMS para que não tenha a ilusão que lhe admito julgamentos de carácter, nem tenha dúvidas sobre o que penso a seu respeito. António Costa”

A mensagem foi enviada no último sábado, dia de publicação do semanário, na sequência da habitual opinião que João Vieira Pereira assina na página 3 do caderno de Economia. Sob o título “Perigosos Desvios do PS à direita”, que pode ler aqui, João Vieira Pereira analisava as propostas que o grupo de economistas elaborou para o PS e que farão parte do programa eleitoral que Costa dará a conhecer em junho.

O que me leva a pensar que o relatório “Uma década para Portugal” está muito mais à direita do PS do que seria de esperar. A grande mais-valia do estudo é que centra o debate político em políticas económicas, de onde nunca deveria ter saído”, escreveu João Vieira Pereira a 25 de abril, sem nunca referir o nome de António Costa.

O diretor-adjunto do Expresso classifica o “estilo do PS” como de “falta de coragem”, ao entregar o programa a um grupo de independentes. “Nada como pedir a uns independentes que façam umas contas que não comprometem ninguém. Se correr bem o partido tinha razão. Se correr mal eram apenas umas ideias loucas de uns economistas bem-intencionados”, escreve João Vieira Pereira, que depois até realça alguns pontos “positivos” do estudo, no que toca a algumas políticas económicas sugeridas, como é o caso “da criação de um imposto negativo para os trabalhadores de menores rendimentos; a descida da TSU para as empresas; a eliminação da sobretaxa do IRS e a reposição dos salários da função pública de forma mais rápida”.

Segundo o próprio autor, João Vieira Pereira, que esta sexta-feira responde no mesmo espaço (o jornal foi antecipado por ser feriado) ao SMS do líder socialista, o texto “não contém qualquer julgamento de caráter à pessoa de António Costa ou a qualquer outra”. À crónica desta semana chamou, em jeito de resposta: “É a liberdade, António Costa” (e pode ser lido aqui).

Denunciar esta situação é a forma mais transparente que encontro para que todos possam julgar e criticar as ideias que defendo, que sempre defendi e continuarei a defender”, escreve João Vieira Pereira.

Recorde-se que António Costa é irmão de Ricardo Costa, diretor do jornal Expresso. Mal António Costa se disponibilizou para liderar o Partido Socialista, Ricardo Costa colocou o seu lugar à disposição por possíveis questões éticas. Mas a administração do Grupo Impresa rejeitou esse cenário.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)