Higiene

Barba e tampos de sanita. Sim, há algo em comum

1.541

Não há outra forma de dizer isto: a barba é um local tão sujo quanto o tampo de uma sanita. E tem bactérias e vírus iguais aos existentes na matéria fecal.

A barba veio para ficar: está na moda entre os homens que adotaram o estilo hipster ou lumbersexual

Getty Images

A barba parece estar de novo na moda. Atores, futebolistas e modelos usam e abusam dos pelos faciais, em cortes muito diferentes, que vão desde exemplo soft de George Clooney ao hipster Raúl Meireles. Mas todos eles poderão ter de rever o seu conceito de estética. Segundo um estudo, os pelos no rosto masculino são um verdadeiro antro de bactérias e vírus, na mesma proporção aos existentes no tampo de uma sanita. E essas bactérias e vírus são iguais aos existentes na matéria fecal.

Chocado? Chocada? Não é para menos. Mas não há outra forma de o dizer. Curioso sobre as consequências da menor utilização de produtos para barbear pelos membros do género masculino, o microbiólogo John Golobic decidiu estudar amostras dos pelos faciais dos homens. E anunciou os resultados “perturbantes” que, segundo o cientista, refletem uma “redução de higiene” nos últimos anos, que criaram as condições ideais para esses seres se instalarem.

Segundo um relatório da Simmons National Consumer, mais de um quarto dos homens no mundo usa barba. Na faixa etária entre os 18 e os 24 anos, 35% dos jovens já seguiram a onda hipster que regressou em 2009 – ou lumbersexual, como se designa o velho “estilo lenhador”.

O mais preocupante é que estas bactérias e vírus podem ser transmitidos através do toque e do beijo, bem como provocar infeções na pele, escreve o Medical Daily. Mas manter a barba limpa e saudável não é uma tarefa impossível: basta lavá-la regularmente, usar cremes hidratantes e evitar mexer nela antes de lavar as mãos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)