A barba parece estar de novo na moda. Atores, futebolistas e modelos usam e abusam dos pelos faciais, em cortes muito diferentes, que vão desde exemplo soft de George Clooney ao hipster Raúl Meireles. Mas todos eles poderão ter de rever o seu conceito de estética. Segundo um estudo, os pelos no rosto masculino são um verdadeiro antro de bactérias e vírus, na mesma proporção aos existentes no tampo de uma sanita. E essas bactérias e vírus são iguais aos existentes na matéria fecal.

Chocado? Chocada? Não é para menos. Mas não há outra forma de o dizer. Curioso sobre as consequências da menor utilização de produtos para barbear pelos membros do género masculino, o microbiólogo John Golobic decidiu estudar amostras dos pelos faciais dos homens. E anunciou os resultados “perturbantes” que, segundo o cientista, refletem uma “redução de higiene” nos últimos anos, que criaram as condições ideais para esses seres se instalarem.

Segundo um relatório da Simmons National Consumer, mais de um quarto dos homens no mundo usa barba. Na faixa etária entre os 18 e os 24 anos, 35% dos jovens já seguiram a onda hipster que regressou em 2009 – ou lumbersexual, como se designa o velho “estilo lenhador”.

O mais preocupante é que estas bactérias e vírus podem ser transmitidos através do toque e do beijo, bem como provocar infeções na pele, escreve o Medical Daily. Mas manter a barba limpa e saudável não é uma tarefa impossível: basta lavá-la regularmente, usar cremes hidratantes e evitar mexer nela antes de lavar as mãos.