Programa de Estabilidade

Elevada incerteza sobre medidas para a Segurança Social é um risco para o défice

No parecer ao PEC 2015-2019, a unidade técnica do parlamento (UTAO) sublinha a elevada incerteza de uma das principais medidas de consolidação, no valor de 600 milhões, na área das pensões.

Pedro Nunes/LUSA

Uma das principais medidas de consolidação orçamental prevista no Programa da Estabilidade e Crescimento (PEC) 2015-19, que teria um impacto da ordem dos 600 milhões de euros na Segurança Social, “não se encontra devidamente especificada e a sua concretização reveste-se de elevada incerteza, na medida em que poderá depender de uma nova avaliação quanto à constitucionalidade”.

Na análise ao PEC apresentado pelo governo , a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) considera que a incerteza que rodeia a configuração e concretização deste medida “condiciona as projeções apresentadas no PEC 2015-19, tanto para a receita como para a despesa, o que constitui um fator de risco sobre as projeções orçamentais”.

Em causa estão os 600 milhões de euros previstos para a consolidação na Segurança Social, medida que não foi concretizada. O governo esclareceu apenas que pode não se tratar de apenas de um corte na despesa com pensões, poderá também haver medidas do lado da receita, e manifestou intenção de negociar esta iniciativa com o PS, que, no entanto recusou.

Novos cortes vão centrar-se na saúde

Na análise às contas do PEC 2015/19, a UTAO alerta igualmente para a poupança “expressiva” nos consumos intermédios, uma parte da qual deverá ser conseguida com medidas de racionalização no setor da saúde. O parecer lembra que esta rubrica já sofreu um corte de 507 milhões de euros em 2015, e que se prevê uma nova redução de um valor significativo ao nível dos consumos intermédios de de 390 milhões de euros até 2019.

Mas se em 2015, estes cortes centraram-se em estudos, pareceres, projetos e tecnologias de informação e comunicação, para o período entre 2016-2019, “prevê-se que a medida de racionalização incida sobretudo ao nível do setor da saúde, em cerca de 328 milhões de euros, nomeadamente na área do medicamento”. A UTAO sublinha que em anos anteriores as medidas de consolidação incidiram já nos consumos intermédios da saúde, “aspeto que pode comprometer o grau de concretização de poupanças futuras”.

O programa apresentado pelo governo prevê uma reversão progressiva das medidas “extraordinárias” em anos anteriores, bem como reduções ao nível da tributação que não se encontram integradas de forma integral pelos efeitos contrários de novas medidas de consolidação. Desta diferença resulta em termos líquidos um valor estimado de 704 milhões de euros a injetar na economia por via da política orçamental.

A UTAO alerta ainda que os efeitos das novas iniciativas “revestem-se de particular incerteza por motivos diversos”. Não só porque não estão devidamente especificadas, mas também porque a sua concretização depende de hipóteses externas. Uma dessas hipóteses prende-se com a poupança prevista nos juros da dívida, que depende das condições do mercado e da política monetária do BCE.

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Défice Público

Desta vez foi diferente? /premium

Helena Garrido
106

Ouvimos vários governos durante as últimas mais de duas décadas prometerem-nos que agora sim, as contas públicas estão controladas. Será desta vez diferente?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)