O requerimento de audição parlamentar ao presidente do Governo da Madeira, para abordar uma alegada avença do BES a um elemento do anterior Executivo, apresentado pelo Juntos Pelo Povo (JPP), foi esta terça-feira transformado em pedido de esclarecimento por escrito.

“Por questões de agenda do presidente do governo e da própria Assembleia Legislativa, entendeu-se, por unanimidade, transformar este pedido de audição num pedido de esclarecimento por escrito”, explicou Adolfo Brazão, presidente da Comissão Especializada de Política Geral e Juventude, realçando que o JPP vai agora reformular o requerimento.

“Para nós, o que interessa é que seja esclarecida esta situação. Estar o presidente do governo presente ou fazer um comunicado por escrito, o resultado será o mesmo”, disse Paulo Alves, deputado do JPP, considerando ser fundamental saber-se quem é o elemento do anterior governo envolvido no caso, que serviços prestava e se o fazia a título pessoal.

“Já que se levantaram estas dúvidas, que se faça o esclarecimento”, realçou.

A iniciativa do JPP surgiu na sequência de uma notícia avançada pelo semanário Sol, dando conta da existência de uma avença paga pelo BES a um membro do anterior Governo Regional da Madeira, presidido por Alberto João Jardim.

No requerimento, a ser transformado em pedido de esclarecimento por escrito, o JPP adianta que aquela instituição bancária, em 2014, apresentou prejuízos elevadíssimos, na ordem dos 3.577 milhões de euros, ao qual foi necessário injetar dinheiro de todos os portugueses para acautelar esta situação, mas que, durante anos, pagou avenças a um membro do anterior Governo Regional da Madeira.

O JPP sublinha que esta avença foi paga “sem que houvesse uma aparente contrapartida. Inclusivamente, esta versão da ata foi rasurada, de forma a impedir a divulgação do nome da pessoa do Governo da Madeira beneficiada com a avença”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR