Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Entre 15 e 21 de setembro. É esta a data proposta pelo Ministério da Educação para o início das aulas no próximo ano letivo, uma semana mais tarde do que tem sido habitual nos últimos anos. No ano passado, o intervalo de dias para que o primeiro período tivesse início foi de 11 a 15 de setembro. O documento, a que o Observador teve acesso (pode consultá-lo na íntegra no link ao lado) foi já distribuído à comissão pedagógica do Conselho de Escolas, cujo presidente não quis prestar declarações. Eduardo Lemos deixou claro que “quem deve apresentar o calendário é o Governo”.

Ao Observador, fonte oficial do Ministério da Educação e Ciência já justificou a proposta: “Pretendeu-se um maior equilíbrio na duração dos três períodos letivos”.

Lembre-se que o Conselho das Escolas recomendou, recentemente, uma espécie de “férias de outono”, a meio do 1.º período de aulas, argumentando, precisamente, que o primeiro período é, por norma, o mais extenso do ano, correspondendo a cerca de três meses completos de atividades letivas, mais de sessenta dias úteis de aulas.

Quem foi apanhado de surpresa por este calendário, que empurra o início do ano letivo para o dia 21 de setembro, foi Adelino Calado, da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas. Adelino Calado afirmou desconhecer ainda estas datas, mas mostrou-se de certa forma perplexo com a decisão de adiar o início das aulas por uma semana em relação ao que tem sido habitual.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Não consigo perceber esta ideia, até porque os concursos de colocação de professores foram antecipados, logo não percebo a intenção. A única questão que se poderia colocar tem a ver com os professores que corrigem os exames, que podem ter mais férias, mas mesmo esses terminariam o descanso, o mais tardar, a 12 de setembro”, explica. Na escola onde leciona, garante Adelino Calado, “está tudo pronto para abrir no dia 14, era essa a previsão”.

As datas para o final do ano letivo também se alteram, mas não se prevê que terminem uma semana mais tarde do que aconteceu no ano 2014/ 2015. Antes pelo contrário. Quem acabou este ano as aulas a 5 de junho vai acabar a 3 de junho; os que terminaram a 12 entram de férias a 9 de junho.

Há pelo menos dez anos que o ano letivo não começava tão tarde:

  • 2005/2006 entre 12 e 16 de setembro
  • 2006/2007 entre 11 e 15 de setembro
  • 2007/2008 entre 12 e 17 de setembro
  • 2008/2009 entre 10 e 15 de setembro
  • 2009/2010 entre 10 e 15 de setembro
  • 2010/2011 entre 8 e 13 de setembro
  • 2011/2012 entre 8 e 15 de setembro
  • 20012/2013 entre 10 e 14 de setembro
  • 2013/2014 entre 12 e 16 de setembro
  • 2014/2015 entre 11 e 15 de setembro

Confira aqui o calendário do ano letivo 2015/ 2016 que consta da proposta entregue pelo Governo ao Conselho de Escolas:

calendario_ano_letivo_2015_2016

interrupcao_atividades_letivas

 [Notícia atualizada às 17h45 com resposta do Ministério da Educação]

Documentos