Os taxistas franceses não deram tréguas e bloquearam estradas e serviços em protesto contra a Uber. A polícia de intervenção teve de agir em Paris, depois de centenas de taxistas terem pegado fogo a pneus e virado carros ao contrário.

Os carros foram ornamentados com mensagens de revolta: alguns papéis amarelos foram afixados ao símbolo do táxi e outros ditavam “Je Suis Taxi” nas janelas dos veículos. Os manifestantes também colocaram faixas amarelas à volta dos braços que indicavam a indignação contra os serviços de motoristas da empresa norte-americana.

O Le Monde falou com um dos motoristas que clarificou os argumentos dos taxistas de Paris: “A Uber está a quebrar o nosso negócio, a roubar o nosso mercado. Estamos à beira do abismo, é a nossa sobrevivência que está em jogo”, relata um dos parisienses em protesto. Mamar é outro dos motoristas que está revoltado com o Estado francês e assustado com os tempos que se avizinham: “Paguei 235 mil euros pela minha licença, fiz um crédito que durou dez anos. Desde que a Uber chegou, o meu fluxo de receitas diminuiu. Arrependo-me de ter entrado nesta profissão”.

O protesto dificultou o acesso aos aeroportos, o que levou os funcionários de Charles de Gaulle, Orly e Roissy a aconselhar a utilização de transportes públicos, principalmente comboio. Mas até as ferrovias foram comprometidas pelos incidentes desta quarta-feira.

O caos instalado em Paris demonstra a fúria dos taxistas contra os serviços da Uber que são usados em França desde 2011. De acordo com a explicação da BBC e segundo os taxistas, o funcionamento da empresa norte-americana está a violar a lei e a incentivar o trabalho clandestino no país. A facilidade de solicitar um motorista Uber, através de uma simples aplicação móvel, que preocupa os franceses, já que os taxistas temem que os seus serviços sejam preteridos.

Nenhum dos motoristas da Uber está obrigado a pedir licença para conduzir num serviço semelhante ao de um táxi. É um investimento de que estão livres e que levam os taxistas franceses a considerar estes serviços uma “concorrência desleal”.

Por toda a Internet é possível encontrar relatos dos que foram apanhados no meio da revolta dos taxistas franceses. A artista Courtney Love foi uma das pessoas que assistiu aos confrontos: o seu carro alugado acabou por ser atacado no centro da cidade, depois de ter saído do aeroporto. O motorista pessoal terá mesmo sido agarrado pelos manifestantes durante alguns momentos.