O atual cônsul-geral de Portugal em Paris, Pedro Lourtie, vai ser o novo embaixador de Portugal na Tunísia. O decreto de nomeação do Presidente da República foi publicado esta quarta-feira em Diário da República. Lourtie, ex-chefe de gabinete de José Sócrates em São Bento, substitui, assim, Luís Faro Ramos, ex-diretor-geral de Política de Defesa Nacional, que foi colocado em Tunes em 2012.

João Mira Gomes, ex-secretário de Estado da Defesa do PS que era Representante Permanente de Portugal junto do Tratado do Atlântico Norte – DELNATO, em Bruxelas, troca com Caetano Almeida Sampaio, que estava em Berlim.

Para o lugar de Lourtie, em Paris, seguirá António Moniz, atual chefe de gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete.

O ministro dos Negócios Estrangeiros tinha confirmado que o Governo iria fazer, antes de terminar o mandato, uma nova rotação diplomática que se “tornava imprescindível” neste momento. Com os decretos de nomeação publicados agora, tem início a nova distribuição de diplomatas que ainda demorará alguns meses a estar concluída e que é contestada pelo PS porque considera que não devia ser este Governo a ter a iniciativa, mas devia deixar o assunto para a próxima legislatura.

No início do mês, saiu a nomeação de Maria da Graça Mira Gomes (mulher de João Mira Gomes) para o cargo de Representante Permanente de Portugal junto da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em Viena, e de António Tânger Corrêa para  a embaixada em Doha.

Nesta rotação, para além da reabertura do posto da OSCE (acumulava com a embaixada em Viena), o Governo vai reabrir postos encerrados pelo atual Governo no início do mandato, como o da Unesco (acumulava com a embaixada em Paris), Bruxelas (acumulava com a Reper) e o consulado-geral em Nova Iorque.