O tiroteio deste sábado em Quinta do Conde fez mais uma vítima morta. O rapaz de 23 anos, identificado pela GNR na altura como o filho do autor dos disparos, morreu na sequência de ferimentos graves, confirmou à Lusa fonte do Hospital de S. Bernardo.

“Confirma-se o óbito do ferido grave de 23 anos”, disse a fonte do Hospital de S. Bernardo, escusando-se a revelar mais pormenores.

Quanto ao outro ferido transportado para o mesmo hospital, o homem, de 77 anos, que foi o alegado autor do tiroteio que provocou outros dois mortos, continua naquela unidade, mas “não corre risco de vida”, limitou-se a acrescentar a fonte.

A GNR foi alertada para o tiroteio, numa rua na Quinta do Conde, por volta das 17:00, tendo mobilizado várias patrulhas para o local.

Quando chegaram, segundo o tenente-coronel Jorge Goulão, do Comando Territorial de Setúbal, os militares encontraram “um indivíduo já cadáver e outro ferido”, ambos “baleados com tiros de caçadeira”.

Essa vítima mortal é um elemento da PSP, fora de serviço, que ouviu tiros e foi abatido quando se dirigiu ao local, revelou à Lusa o presidente do Sindicato Nacional de Polícia (SINAPOL), Armando Ferreira.

Quando os militares da GNR tentavam socorrer o ferido, o jovem de 23 anos, sem que o alegado autor do tiroteio fosse visível na zona, um tiro de caçadeira disparado do interior de uma residência “baleou mortalmente” um GNR, de 25 anos, do Comando Territorial de Setúbal.

De acordo com a mesma fonte da GNR, o tiro foi disparado pelo homem de 77 anos, o qual, perante a intervenção da Guarda, terá acabado “por tentar o suicídio, com um tiro de caçadeira nele próprio”, ficando ferido e sendo detido e transportado para o Hospital de Setúbal.

A GNR escusou-se, de momento, a precisar o que terá motivado este tiroteio: “Ainda não sabemos, estamos a apurar as causas”, afirmou o tenente-coronel Goulão.