As populações de mosquitos transmissores da dengue estão controladas em Cabo Verde, mas as autoridades de saúde alertam para a necessidade de reforçar a vigilância, sobretudo durante a época das chuvas, que agora começa.

“Têm estado sob controlo e sempre que apareceram casos suspeitos os exames deram negativo”, disse a ministra da Saúde, Cristina Fontes Lima.

A governante falava na cidade da Praia, durante a apresentação dos resultados de um estudo entomológico e virológico da dengue, realizado em cinco ilhas de Cabo Verde por uma missão técnica do Instituto Pasteur de Dacar, no Senegal.

O estudo, que decorreu nas ilhas de Santiago, Maio, Fogo, Boavista e São Vicente, concluiu que as populações de ‘Aedes aegypti’, um dos mosquitos transmissores da dengue, estão dentro dos limites definidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e que estes insetos não estão infetados pelo vírus da dengue.

A Boavista é a ilha que regista a melhor situação, seguida da ilha do Fogo e o concelho da Praia, na ilha de Santiago.

Contudo, os especialistas encontraram situações preocupantes, na sua maioria relacionadas com as condições de armazenamento de água dentro das habitações.

Segundo os técnicos, a maior parte das infestações de mosquitos foram detetadas em bidões e cisternas de armazenamento de água, mas foram também encontrados viveiros em pneus, vasos, garrafas de água abandonadas e aquários.

Para Cristina Fontes Lima, “o maior risco está dentro de casa”, por isso, a ministra apelou para que a população siga as recomendações das autoridades tenha todos os cuidados com as águas estagnadas.

António Lima Moreira, um dos responsáveis pelo estudo, alertou para o facto de este ter sido feito antes da queda das chuvas e da passagem do furacão “Fred”, sublinhando que “com a queda das chuvas se não houver uma vigilância e um tratamento muito apertado e com a população a participar certamente irá aumentar a densidade vetorial”.

“Continuamos a ter esse mosquito. É difícil, senão impossível, eliminá-lo. Criando condições é evidente que haverá proliferação”, disse.

O responsável adiantou que apesar de se viver “uma situação confortável” no que toca ao controlo dos mosquitos, o trabalho terá que continuar e que a “tarefa é agora mais árdua com a queda abundante de chuva”.

O diretor Nacional da Saúde, Tomás Valdez, sublinhou que atualmente não há em Cabo Verde “mosquitos transportando o vírus da dengue”, mas ressalvou que os riscos aumentam com a época das chuvas e no período imediatamente a seguir.

“Se baixarmos a guarda poderemos ter problemas”, disse.

Cabo Verde não registou este ano qualquer caso de dengue ou paludismo autóctone, sendo que os sete casos de paludismo até agora detetados no país foram em pessoas que vieram do estrangeiro.