Rádio Observador

Mundo

Yakuzas. Ou como o Japão está a temer uma guerra entre mafiosos

O maior grupo mafioso do Japão entrou em conflito. Vários membros foram expulsos, formaram outra fação e as autoridades temem que, agora, irrompam confrontos e violência entre yakuzas rivais.

Em 1984 também houve várias cisões em grupos yakuza. Nos três anos seguintes, pelo menos 25 pessoas morreram e centenas foram detidas no Japão

JIJI PRESS/AFP/Getty Images

Os filmes não variavam muito. Eram tipos com boas roupas, até vestidos com camisa e fato escuro, chapéu a tapar a cabeça, ar de mauzões, quase sempre armados, que cometem um crime como quem esfrega um olho. É o estereótipo de gangster, do mafioso que vários filmes, sobretudo na década de 80 ou 90, retratavam quando o tema era a máfia. Não era o único: com a imagem típica de um mafioso vinha atrás uma história dos conflitos entre grupos rivais que se travavam nas ruas e nos negócios sujos. Podia ser ficção, mas qualquer história inventada vai buscar inspiração a estórias reais, certo? Talvez, porque o que se está a passar no Japão parece ser o guião de um próximo filme de Hollywood.

Máfia, a palavra que se arranjou para descrever uma organização clandestina de criminosos, não existe apenas nos EUA — onde os filmes sobre ela abundam –, ou em Itália, onde se vai buscar a inspiração. Porque no Japão há os yakuza e o problema é que se estão a chatear. Há semanas, o maior grupo que opera no país, os Yamaguchi-gumi, separaram-se em duas fações e a polícia japonesa teme que, em breve, irrompa uma guerra entre gangues em várias cidades do país. E ninguém sabe ao certo como é que isto aconteceu.

Vamos por partes e a primeira é a do início. Os yakuza surgiram em 1915, mesmo ano em que os Yamaguchi-gumi foram criados, em Kobe, por um pescador, resume o Wall Street Journal. O grupo cresceu, foi estendendo os seus tentáculos por vários ramos de crime organizado e aumentando os seus números. Este ano, o do centenário da sua existência, estimava-se que o grupo englobava perto de 23 mil pessoas, o equivalente a quase 45% do número total de yakuzas que se crê existirem no Japão. O problema surgiu em agosto, quando o chefe dos Yamaguchi-gumi decidiu expulsar os líderes de 13 das 72 fações que integram o grupo.

To go with AFP story "Japan-society-crime-yakuza", Feature by Harumi Ozawa In this picture taken on on May 27, 2013, silicone-made fingers and limbs are displayed on a work bench at prosthetics specialist Shintaro Hayashi's office in Tokyo. Going straight after a lifetime spent as a member of Japan's feared yakuza organised crime mobs poses a number of challenges. Chief among them is what to do about the fingers you chopped off. AFP PHOTO / TOSHIFUMI KITAMURA (Photo credit should read TOSHIFUMI KITAMURA/AFP/Getty Images)

Na cultura yakuza é frequente cortar o dedo, como castigo, quando o membro de um gangue comete um ato de deslealdade ou traição para com o líder. Foto: TOSHIFUMI KITAMURA/AFP/Getty Images

Porquê? Niguém sabe ao certo. A BBC, por exemplo, noticiou que pelo menos sete desses líderes foram expulsos por falta de lealdade para com o Shinobu Tsukasa, o cabecilha do grupo. Já o The Guardian escreveu que Tsukasa, que assumiu o controlo dos Yamuguchu-gumi há 10 anos, começou a ser acusado por dar tratamento preferencial aos membros de uma fação que fundara em Nagoya — isto quando o grupo está sediado em Kobe. E Tsukasa já provou que não é a melhor pessoa para ser contrariada: na década de 70, foi condenado a uma pena de 13 anos de prisão por matar o líder de um gangue rival com uma espada samurai.

O chefe dos Yamaguchi-gumi terá chegado a sugerir que a sede do grupo fosse deslocada para a cidade de Kobe. Os líderes das tais 13 fações, aí, revoltaram-se e terão sido expulsos. Depois uniram-se e formaram um grupo autónomo, denominado Kobe Yamaguchi-gumi, que já contará com cerca de três mil membros. Agora, a polícia japonesa tem alertado os cidadãos para a iminência de um escalar de violência em várias cidades do país. Não seria a primeira vez.

Em 1984 também se registaram cisões em grupos yakuza e, nos três anos seguintes, pelo menos 25 pessoas morreram, dezenas ficaram feridas e centenas foram detidas pelas autoridades na sequência de confrontos entre fações mafiosas rivais. “Se os Yamaguchi-gumi se desmembrassem, a ordem pública provavelmente piorava. Sei que pode ser difícil acreditar, mas estou a proteger o grupo para me livrar das fações violentas”, chegou a dizer, em 2011, Shinobu Tsukasa, quando concedeu uma entrevista a um jornal japonês.

Aqui chegamos a outro ponto, já que o líder do maior grupo yakuza do país apenas falou porque, no fundo, os yakuza têm um estatuto legal, como recordou a BBC. As várias fações têm sede registada, números de telefone, logótipos oficiais e até cartões de visita. Têm um estatuto legal, embora operem em atividades ilegais e criminosas. Sobretudo desde 1992, quando o governo japonês aprovou uma nova lei que passou a criminalizar várias práticas dos yakuza. Em 2011 entrariam em vigor várias outras leis que apertaram o cerco aos grupos mafiosos do país. Em 2005, segundo dados do Wall Street Journal, existiam mais de 80 mil yakuzas no Japão. Hoje são menos de 40 mil.

E a polícia japonesa poderá aproveitar esta cisão nos Yamaguchi-gumi para apertar ainda mais o cerco aos yakuza. Ou para reforçar o policiamento nas ruas para contrariar a violência que temem poder vir a escalar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)