Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ler manuais de instruções onde as palavras mais usadas são “dispositivo”, “componente”, “apetrecho”, “interface” ou “aviso” é normalmente tão excitante como ler os termos e condições de uso (que por isso mesmo nunca lemos) antes de carregar um novo programa no computador. A não ser quando essas palavras são aplicadas à atividade mais excitante que pode haver: o sexo.

Sexo_capa_zopol

O livro é editado pela Arte Plural e custa 15,50€.

É isso mesmo que acontece em Sexo, Livro de Instruções, um “guia para maximizar o prazer” que acaba de ser publicado e onde tudo é tratado como maquinaria, mas também com sentido de humor. Exemplos? Os mamilos são dispositivos de preliminares, os dedos são sensores táteis — “os mais habilidosos e versáteis dispensadores de prazer”, juntamente com a língua — e o órgão sexual é uma “componente de ativação do orgasmo”.

Pages-from-SEXO-47

Para além de 10 linhas só sobre a questão de como tirar um soutien, a parte dedicada aos seios avisa que eles “não são sintetizadores de frequências de rádio”, por isso deve-se “evitar ‘rodar’ e sintonizar os mamilos em excesso”. © Paul Kepple e Scotty Reifsnyder

Felicia Zopol, a autora, colunista especializada com obra publicada dentro do tema, pergunta desde logo ao leitor se quer ajuda para ter sexo. E é isso mesmo que oferece ao longo de 200 páginas, recorrendo às ilustrações cor de rosa de Paul Kepple e Scotty Reifsnyder, mas não sem antes declarar:

“O sexo é uma das atividades mais excitantes, agradáveis e recompensadoras de que a raça humana dispõe — mas boa sorte para tentar encontrar informação fidedigna sobre o assunto. Para a maior parte das pessoas continua a ser um tabu, e por isso a nossa educação sexual vai aos tropeções, ora tentativa, ora erro, e com os eventuais enganos de um ou outro site.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sem tabus, o livro fala sobre tudo, do “interface oral (vulgo beijar)” que faz parte dos preliminares, à interação sexual avançada que pode incluir fantasias ou fetichismos — o capítulo mais kinky, onde a posição à missionário não entra — passando pela operação manual e oral dos genitais femininos e masculinos (longamente descritos), antes de se demorar na relação sexual propriamente dita, secção que tem direito a uma espécie de Kama Sutra com cerca de 50 posições ilustradas, mais ou menos complicadas e com nomes originais como “carrinho de mão” ou “cadeira de praia”.

Pages-from-SEXO-67

O tema da depilação íntima tem sido polémico nos últimos tempos, mas o livro não deixa de constatar que “há muita gente que reconfigura o estilo dos seus pelos púbicos cortando, rapando ou depilando”, por vezes em formatos originais. © Paul Kepple e Scotty Reifsnyder

À semelhança dos outros volumes da coleção de livros de instruções da Arte Plural – sobre grávidas, bebés ou cães e gatos – a linguagem meio mecânica, meio informática, é na verdade só uma forma original de dar informação bastante prática, em capítulos bem identificados e com índice remissivo. É por isso que, no meio do hardware e dos procedimentos, se respondem a perguntas como:

  • Porque é que os homens adormecem depois do orgasmo ou ficam cheios de fome?
  • O que é, onde fica e como se pode estimular o ponto G?
  • Como aplicar lubrificante?
  • Como colocar um preservativo e que outros dispositivos de proteção existem?
  • Como escolher um vibrador?
  • Qual a melhor forma de resolver problemas como, por exemplo, a ejaculação precoce?
Pages-from-SEXO-197

© Paul Kepple e Scotty Reifsnyder

A linguagem pode brincar com o facto de o sexo ser uma operação ou uma interface entre dois sistemas, mas longe deste livro de instruções querer tornar mecanizado algo que deve ser experenciado com bastante paixão e que varia de par para par. Por isso mesmo, no meio dos vários “avisos” e “dicas de especialista”, há também vários alertas para o facto de todas as pessoas serem diferentes e ser muito importante perguntar ao parceiro/a aquilo de que gosta.

Nem de propósito, no fim da lição estudada cada leitor tem direito a um diploma onde, em vez do nome da universidade ou a nota final, pode preencher a sua posição preferida e a sua fantasia sexual, assim como as da sua companhia de cama.