Rádio Observador

Marte

Será o novo anúncio da NASA sobre a atmosfera de Marte?

A NASA desperta a curiosidade só por dizer que tem algo para dizer em hora marcada. A probabilidade é que o tema seja a atmosfera de Marte. Esperamos para ver.

A atmosfera do planeta vermelho é muito diferente da atmosfera da Terra

ESA/DLR/FU Berlin

Se a NASA (agência espacial norte-americana) diz que tem um grande anúncio a fazer, tanto os órgãos de comunicação social, como a comunidade científica e o público em geral vão ficar atentos. E se a promessa é que o anúncio diz respeito a Marte, a curiosidade sobre o que possa ser cresce ainda mais.

A agência informou que uma nova comunicação será feita a partir do quartel-general em Washington, esta quinta-feira (dia 5), às 19 horas (hora de Lisboa). E, seguindo o raciocínio do site Science Alert, o tema pode ser a atmosfera de Marte visto que quatro dos cinco oradores pertencem ao projeto MAVEN (a sigla em inglês para Mars, Atmosphere and Volatile Evolution).

Vídeo Vimeo publicado a 9 de setembro de 2015: “Marte é seco e frio agora, mas não foi sempre assim. Esta simulação imagina como poderia ter sido.”

E se estivermos a falar de nevoeiro ácido?

Neste momento podemos apenas especular sobre quais serão as revelações da NASA, mas a conferência da Sociedade Geológica Americana, que decorreu entre 1 e 4 de novembro em Baltimore, também lançou umas pistas sobre a composição da atmosfera: nevoeiro ácido.

As conclusões de Shoshanna Cole, cientista planetária e doutoranda na Universidade Cornell, não resultam da observação direta da atmosfera, mas do efeito esta pode ter na superfície do planeta vermelho. A investigadora analisou os dados recolhidos pelo Rover Spirit em 2003 que demonstram que os vapores ácidos podem ter erodido as rochas, no monte Husband (“Marido”) da cratera Gusev em Marte.

As rochas dos locais analisados tinham uma composição química equivalente, logo teriam tido uma origem idêntica, mas apresentavam em geral um aspeto muito diferente umas das outras. Algumas das rochas apresentam oxidação do ferro, mas mesmo o nível de oxidação era muito variável até numa extensão de apenas 30 metros. Outras rochas apresentavam minerais que tinham perdido a estrutura original tornando-se menos cristalinos e mais amorfos. 

“Isso faz-nos pensar que foram feitas do mesmo material, quando começaram, depois alguma coisa aconteceu e fez com que se tornassem diferentes umas das outras”, disse Shoshanna Cole, citada pelo comunicado. A hipótese é que tenham estado expostas a vapor de água ácido (“vog”) resultante das erupções vulcânicas, semelhante ao fumo vulcânico corrosivo libertado pelo vulcão Kilauea, no Havai. Quando o vog assentou na superfície marciana dissolveu os minerais e formou um gel. Quando a água do gel evaporou, ficou uma espécie de cimento que favoreceu o aparecimento de aglomerados.

Assim, nada é adicionado ou retirado, mas é mudado”, disse a investigadora. “Isto aconteceu aos poucos ao longo de um período de tempo longo. Até há um sítio onde é possível ver cimento a fechar uma fratura [na rocha]. É bastante impressionante. Fiquei realmente feliz quando o encontrei [o cimento].”

Outros anúncios da NASA:

  • O telescópio espacial Kepler encontrou um planeta pouco maior que a Terra a orbitar a zona habitável de uma estrela pouco maior do que o Sol, a 23 de julho de 2015.
  • A equipa que juntou investigadores da NASA, de instituições norte-americanas e de uma francesa encontrou provas indiretas da presença de água no planeta vermelho, conforme foi publicado na revista científica Nature Geosciences no dia 28 de setembro de 2015.
  • As primeiras imagens coloridas da sonda New Horizons revelaram neblinas azuis sobre Plutão e água gelada no pequeno planeta, que em tempos foi o último do sistema solar, segundo um comunicado da NASA a 8 de outubro de 2015.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)