O naufrágio do arrastão ocorrido no início de outubro na Figueira da Foz vai custar cerca de 1,4 milhões de euros em seguros, entre indemnizações aos familiares das cinco vítimas mortais e seguro da embarcação naufragada, disse a seguradora.

Em declarações à agência Lusa, Adelino Cardoso, diretor de ação cooperativa e comunicação da seguradora Mútua dos Pescadores, explicou que o pagamento de seguros relacionados com o naufrágio importa em cerca de 1,4 milhões de euros, cerca de um milhão relativo aos seguros de acidentes de trabalho e pessoais obrigatórios por lei das cinco vítimas mortais e 400 mil à apólice de seguro marítimo do armador do arrastão.

Em comunicado, a Mútua de Pescadores informou que “vai iniciar de imediato e voluntariamente, sob a forma de prestações provisórias”, o pagamento de pensões aos beneficiários legais das vítimas mortais (viúvas e filhos menores), até que o Tribunal de Trabalho regule, de acordo com a lei, as pensões definitivas a pagar pela seguradora, no âmbito dos seguros de acidentes de trabalho.

Já o seguro de acidentes pessoais por morte ou invalidez permanente leva a que cada família dos pescadores mortos receba 50 mil euros.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quanto ao arrastão Olívia Ribau, que permanece no rio Mondego, junto ao molhe sul do porto da Figueira da Foz, “os trabalhos para o seu salvamento iniciaram-se no dia seguinte ao sinistro, envolveram importantes meios materiais e humanos e neste momento procede-se à limpeza do seu interior que irá possibilitar o apuramento dos danos”, revela o comunicado.

Questionado sobre se a embarcação – que deverá ser rebocada para os estaleiros navais do Mondego nos próximos dias – vai ser reparada ou desmantelada, Adelino Cardoso respondeu que “ainda é cedo para fazer previsões”.

“Foi posta a flutuar, está a ser limpa de areias do seu interior, para se poder fazer uma peritagem alargada e avaliar os danos. Só quando estiver cá fora será tomada uma decisão”, indicou.

No arrastão Olívia Ribau naufragado a 06 de outubro à entrada do porto da Figueira da Foz, seguiam sete pescadores. Dois foram resgatados com vida, uma hora depois do acidente, por uma moto de água da Polícia Marítima, e cinco morreram.