O Fundo de Resolução estará a equacionar a compra da seguradora GNB Vida ao Novo Banco para reduzir as necessidades de capital do banco que resultou da resolução do BES e para vender rapidamente e em condições de mercado esta seguradora, avança o Jornal de Negócios.

A opção que estará em cima da mesa prevê a compra da totalidade da seguradora, mas ainda não estará decidido que será esta a forma escolhida. Segundo o Negócios, o Fundo de Resolução, que está a liderar a venda do Novo Banco, ainda não excluiu totalmente a possibilidade de avançar com a venda da seguradora realizando um concurso. A decisão deverá ser tomada nas próximas semanas.

O Fundo de Resolução pretende vender a seguradora rapidamente para evitar que esta perca valor e para reduzir as necessidades de capital do Novo Banco, que o Fundo de Resolução quer voltar a colocar à venda no início do próximo ano.

Nos testes de stress realizados pelo Banco Central Europeu foi identificada uma falha no capital (num cenário adverso) do banco de 1400 milhões de euros. A venda da seguradora permitiria, nas contas do Fundo de Resolução, reduzir para mil milhões de euros as necessidades de capital do Novo Banco, o que facilitaria a sua venda.

Subsidiária em França apetecível

O Diário Económico avança que o Novo Banco estará a receber várias manifestações de interesse pela sua subsidiária em França, o Banque Espírito Santo et de la Vénétie, avaliado em cerca de 100 milhões de euros. As propostas vinculativas deverão chegar no início do próximo mês.