Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

(Artigo atualizado às 23h55 com mais informação)

As forças armadas turcas abateram um avião militar russo depois de este alegadamente ter violado o espaço aéreo da Turquia e de ter ignorado repetidamente avisos da Força Aérea turca. A queda do avião foi confirmada pelas duas partes, mas o governo russo nega que o avião tenha entrado em espaço aéreo turco e diz que se trata de um “incidente muito grave”.

A pedido da Turquia, a NATO reuniu de emergência. É a primeira vez desde a Guerra da Coreia, na década de 1950, que um Estado-membro da NATO abate um avião russo. O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que “as avaliações que a NATO recebeu dos aliados [sobre o incidente] são consistentes com as turcas”.

No final da reunião extraordinária, onde participaram os representantes diplomáticos dos 28 Estados membros da NATO, Stoltenberg manifestou que a NATO está “solidária” com os turcos e garante “apoio à manutenção da integridade territorial da Turquia.” No comunicado à imprensa, o secretário-geral da NATO pediu, quer a Ancara quer a Moscovo, “calma e desanuviamento”. 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um caça SU-24 foi abatido esta manhã e caiu perto de Latakia, na Síria, onde está localizada a principal base da operação russa contra o Estado Islâmico. Os primeiros relatos sobre o incidente foram avançados pela imprensa turca e davam conta apenas que um caça de origem desconhecida tinha sido abatido pelas forças turcas. De acordo com um jornalista da Euronews, o avião russo esteve no espaço aéreo turco durante 17 segundos, tendo sido repetidamente avisado enquanto se aproximava:

O Ministério da Defesa russo foi o primeiro a confirmar que o seu avião militar tinha sido abatido por forças turcas, alegadamente por forças terrestres e não pelos dois caças F-16 enviados pela força aérea turca. No entanto, o Governo turco prontamente respondeu que o avião foi abatido realmente pelas suas forças armadas, mas porque violou o espaço aéreo turco, tal como ditam as regras, e que recebeu 10 avisos em cinco minutos e que ignorou as comunicações.

O Kremlin respondeu dizendo que o caça russo não chegou a entrar em espaço aéreo turco e que tem provas disso mesmo. Um porta-voz do governo russo disse aos jornalistas esta manhã que se trata de um “incidente muito grave”, mas não deu mais detalhes. O Ministério da Defesa russo também negou que o avião tenha invadido espaço aéreo russo.

O avião russo foi abatido no noroeste sírio, onde as forças russas estão instaladas e onde russos e sírios, aliados na luta contra o Estado Islâmico e na proteção do regime de Bashar al-Assad, têm realizado diversas operações contra rebeldes.

A zona é alvo de grande disputa entre Turquia e Rússia, uma vez que nas aldeias junto à fronteira vivem comunidades de sírios descendentes de turcos. O bombardeamento desta zona pelas forças russas e sírias levou inclusivamente as autoridades turcas a pedirem uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas para esta semana. A Turquia também mandou chamar o embaixador russo na semana passada para protestar contra os ataques aéreos a estas aldeias.

A Turquia tinha também pedido uma reunião extraordinária da NATO para discutir o incidente, e a NATO marcou a reunião para as 16h00 desta tarde (hora de Lisboa), com os representantes dos 28 países que fazem parte da Aliança, na qual está a Turquia.

Os dois tripulantes do caça russo terão conseguido ejetar-se antes de este se despenhar perto de Latakia, mas segundo a Reuters, citando uma fonte de um grupo rebelde na região, um deles estará morto. A CNN na Turquia avançava também que um dos tripulantes teria sido capturado pelos rebeldes sírios, que fazem oposição ao regime de Bashar al-Assad.

Entretanto, o governo turco mandou chamar o representante russo para os Negócios Estrangeiros a Ancara para protestar contra as violações do seu espaço aéreo pelo avião militar russo, que os russos continuam a negar.

Disputa antiga

O primeiro-ministro turco já tinha alertado em outubro a aviação russa que as regras se aplicam a todos os países que decidam invadir o espaço aéreo turco, depois de caças russos terem invadido, alegadamente por engano, este espaço aéreo.

A televisão turca Habertürk TV captou as imagens da queda do avião e publicou-as no twitter. Nas imagens pode-se ver o caça russo a cair no norte da Síria, perto da fronteira com a Turquia, uma zona onde a avaliação russa e síria têm levado a cabo ataques aéreos.

Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, o avião militar russo ter-se-á despenhado na zona de Latakia.

Na zona onde o avião terá sido abatido vive uma comunidade de sírios com ascendência turca. O bombardeamento desta zona pelas forças russas e sírias levou inclusivamente as autoridades turcas a pedirem uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas para esta semana. A Turquia também mandou chamar o embaixador turco na semana passada para protestar contra os ataques aéreos a estas aldeias.

Avião militar russo foi abatido perto da fronteira com a Turquia, mas em território sírio