A Frente Nacional continua a crescer nas sondagens depois dos atentados de 13 de novembro em Paris. Segundo as sondagens mais recentes, o partido já está à frente em duas regiões, lideradas por Marine Le Pen, líder do partido, e Marion Maréchal-Le Pen, sobrinha de Marine, e está prestes a conseguir a terceira, graças a Florian Philippot, vice-presidente desta força. O avanço da Frente Nacional está a esvaziar a direita de Sarkozy, que contava com uma vitória certa.

A reorganização das regiões em França diminuiu-as em número, mas aumentou os seus nomes, já que agregou várias regiões administrativas. Assim, serão 13 regiões a ir a votos numa primeira volta que acontece já no dia 6 de dezembro, com uma segunda volta a 13 de dezembro –  só passam à segunda volta as forças que conseguirem obter mais de 10% dos votos. Tanto Norte-Passo de Calais-Picardia e Provença-Alpes-Costa Azul são dadas como certas para a Frente Nacional, enquanto a sondagem do jornal Les Echos, Florian Philippot vai conseguir ganhar a segunda volta na Alsácia-Champanhe-Ardena-Lorena.

Já a direita de Sarkozy, com o novo partido Les Republicains e coligado em algumas regiões com outros partidos à direita, deve conseguir conquistar Ilha de França – região de Paris -, Centro-Vale do Loire e País do Loire. O Partido Socialista conseguirá ganhar Languedoque-Rossilhão-Midi-Pireneus, Bretanha e Aquitânia-Limosino-Poitou-Charentes.

Há ainda três regiões em que não é claro quem poderá ganhar. É o caso de Borgonha-Franco-Condado, Auvérnia-Ródano-Alpes e Normandia (atualmente disputada pelos socialistas e pela Frente Nacional). Segundo uma sondagem de dia 29 do jornal Le Parisien e BFMTV, a Frente Nacional é mesmo o único partido que cresceu nas diferentes regiões depois dos ataques terroristas em Paris e isso terá influência direta nestas eleições.