MH17

MH17: Holanda investiga possível envolvimento de soldados russos

A Procuradoria holandesa vai investigar o possível envolvimento de soldados russos no abate do voo MH17 na Ucrânia, em julho de 2014.

Brendan Hoffman

A Procuradoria da Holanda afirmou que vai “estudar seriamente” as alegações de um grupo de ‘jornalistas cidadãos’ que dão conta do envolvimento de soldados russos no abate do voo MH17 na Ucrânia, em julho de 2014.

As suspeitas foram despoletadas pelo grupo de “jornalistas cidadãos de investigação”, Bellingcat, que tem como especialidade investigar e analisar dados nas redes sociais e outras fontes abertas. Ora, depois dos relatos deste grupo, o porta-voz da Procuradoria holandesa, Wim de Bruin, explicou no domingo, citado pelo The Guardian, que já receberam “o relatório depois do Natal” e que vão “estudar seriamente e determinar se é possível ser utilizado para inquérito criminal”.

Recorde-se que o voo MH17 da Malaysia Airlines foi abatido na Ucrânia de leste por um míssil terra-ar vitimando os 298 passageiros. Foram vários os países, incluindo a própria Ucrânia, que apontaram responsabilidades aos separatistas pró-russos, suspeitas sempre negadas por Moscovo.

Agora a Holanda promete abrir mais um capítulo com uma investigação criminal de maneira a confirmar os reais responsáveis pelo abate do avião.

Já em 2014 a Bellingcat relatava a existência de uma plataforma de lançamento de mísseis BUK numa área controlada por rebeldes pró-russos, e que terá sido colocada por uma brigada anti-aérea russa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)