As autoridades mexicanas apanharam “El Chapo” Guzmán, o grande barão da droga e o homem mais procurado no país, que tinha fugido da prisão em julho do ano passado.

O anúncio foi feito pelo Presidente do México, Enrique Peña Nieto, no Twitter: “Missão cumprida: apanhámo-lo. Quero informar os mexicanos que Joaquín Guzmán Loera foi detido”.

Mais tarde, num discurso, o Presidente do México procurou enaltecer o feito conseguido na sexta-feira. “Quando nós mexicanos trabalhamos juntos não há adversidade impossível de superar, que todas metas são alcançáveis se confiarmos na solidez e na força das nossas instituições”, disse.

Foi o mesmo tom escolhido pela Procuradora-Geral da República, Arely Goméz González, que disse que “com esta detenção fica validada a decisão do governo do Presidente Enrique Peña Nieto de fazer valer o Estado de direito e a aplicação da lei”.

Fugiu por um túnel em julho de 2015

O narcotraficante estava em fuga desde 11 de julho de 2015, altura em que conseguiu fugir de uma prisão de segurança máxima através de um túnel de cerca de 1,5 quilómetros que começava no duche da sua cela — o único ângulo morto para as câmeras de segurança da prisão de Altiplano.

Foi a sua segunda fuga de uma cadeia. A primeira foi em 2001, quando já contava 14 anos atrás de grades.

fugaelchaporedi_770x433_acf_cropped

Imagem da cela de “El Chapo”, momentos antes de o narcotraficante desaparecer. A zona do chuveiro era um ângulo morto para a câmera — e foi por ali que ele acabou por fugir através de um túnel

Segundo comunicaram as autoridades, a captura tornou-se possível depois de alguém ter feito uma denúncia anónima, demonstrando-se preocupado por haver vários homens armados na casa ao lado. As forças armadas mexicanas, conhecidas como Marina e que são a força de elite daquele país, entraram nessa morada um pouco antes das 05h00 locais. Seguiu-se um tiroteio, que terá feito cinco mortos e seis feridos. Foi nesse contexto que Joaquín Guzmán Loera foi detido, já depois das 05h00 locais.

Passou-se tudo no município de Los Mochis, no estado de Sinaloa, no Oeste do país.

O Presidente mexicano deixou ainda uma mensagem de apreço às autoridades do seu país: “O meu reconhecimento ao Gabinete de Segurança do Governo da República por este feito importante a favor do Estado de Direito no México”.