Portugal foi o quinto país da União Europeia e o terceiro da zona euro onde a receita fiscal em percentagem do PIB mais diminuiu, segundo dados divulgados pelo Eurostat.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, a receita fiscal em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) caiu em oito dos Estados-membros, incluindo Portugal, onde recuou de 37,2% em 2013 para 36,9% em 2014, a quinta maior quebra entre os 28 e a terceira entre os 19 países da moeda única.

A maior quebra da receita fiscal em termos de PIB foi registada na República Checa (de 34,8% em 2013 para 34,1% em 2014), seguindo-se o Reino Unido (de 34,9% para 34,4%), a Eslovénia (37,3% para 37%), a Bélgica (de 48,2% para 47,9%) e Portugal (de 37,2% para 36,9%).

As maiores subidas foram observadas na Dinamarca (48,1% em 2013 para 50,8% em 2014), em Chipre (de 31,6% para 34,2%) e em Malta (de 33,6% para 35,0%).

A receita, em percentagem do PIB, em impostos sobre a produção e a importação, sobre o rendimento e o património ou sobre o capital e em contribuições sociais em Portugal (36,9%) ficou ainda abaixo das médias da zona euro (41,5%,) e da UE (40,0%).

Portugal ficou, em 2014, a meio (14.º lugar) de uma tabela liderada pela Dinamarca (50,8% de receitas fiscais e de contribuições sociais em percentagem do PIB), Bélgica e França (47,9% cada), Finlândia (44,0%), Áustria (43,8%), Itália e Suécia (43,7% cada).

No outro extremo da tabela estão a Roménia (27,7%), a Bulgária (27,8%), a Lituânia (28,0%) e a Letónia (29,2%), com os menores rácios de receitas fiscais.