O Governo quer alocar mais dinheiro à saúde. Ao todo, são 9.479,7 milhões de euros. É este o montante global que o Governo se propõe a transferir para o setor da saúde, em 2016, mais 258,5 milhões do que o valor executado no ano passado.

“Em 2016, a despesa total consolidada do Programa da Saúde é de 9.479,7 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 2,8% (258,5 milhões de euros) face à execução provisória de despesa para 2015”, lê-se na proposta de Orçamento do Estado para 2016.

Se olharmos apenas para a rubrica do Serviço Nacional de Saúde, as transferências crescem 45,1 milhões face à execução provisória do ano passado, fixando-se nos 7.922,6 milhões de euros.

No relatório que acompanha a proposta de lei do Orçamento do Estado para 2016, o Governo reforça que, “em 2016, as políticas a adotar na saúde visam revigorar e recuperar o desempenho do SNS, reforçando a equidade no acesso e a qualidade dos serviços prestados”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Governo volta a falar na abertura de novas Unidades de Saúde Familiar, “que permitirão prosseguir o objetivo de atribuir um médico de família a cada cidadão” e na introdução de meios complementares de diagnóstico nas unidades de cuidados primários e de novas valências para a saúde visual e a oral.

Ainda uma referência para o Hospital de Lisboa Oriental, que se encontra “em fase de reavaliação”, e para o “lançamento dos estudos para a construção do hospital de Évora e do hospital do Seixal”.