Caso José Veiga

José Veiga fica em prisão preventiva e Paulo Santana Lopes em domiciliária

213

O juiz Carlos Alexandre decretou a prisão preventiva do ex-empresário de futebol. Irmão de Pedro Santana Lopes fica em prisão domiciliária até pagar caução de 1 milhão de euros

JOSE SENA GOULAO/LUSA

Os piores receios de José Veiga confirmaram-se: o Tribunal Central de Instrução Criminal decretou a sua prisão preventiva num estabelecimento prisional. Já Paulo Santana Lopes vai para casa, ficando sujeito à obrigação de permanência na habitação.

Ao que o Observador apurou, o juiz Carlos Alexandre considerou que, no caso de Veiga, existia o perigo de fuga devido à residência do ex-empresário de futebol na República do Congo e à cidadania daquele país entretanto adquirida pelo arguido. Por isso mesmo, foi decretada a sua permanência num estabelecimento prisional para acautelar esse perigo.

No caso de Paulo Santana Lopes, a sua prisão domiciliária poderá ser substituída por uma caução de 1 milhão de euros estabelecida pelo juiz Alexandre, segundo comunicado da Procuradoria-Geral da República (PGR) divulgado esta noite. Caso isso aconteça, o arguido ficará em liberdade e sujeito à obrigação de apresentações periódicas (três vezes por semana) na esquadra de polícia mais próxima de sua casa e à proibição de se ausentar para o estrangeiro. Santana Lopes está ainda proibido de contactar com os “restantes arguidos, suspeitos e testemunhas” que já prestaram declarações nos autos, acrescenta ainda a PGR.

A advogada Maria Barbosa, que trabalhava com Veiga e Santana Lopes, foi libertada pelo Tribunal Central de Instrução Criminal, sujeita à medida de coação mais leve (termos de identidade e residência) mas está proibida de viajar para o estrangeiro.

Segundo o comunicado da PGR, o inquérito a cargo da procuradora Susana Figueiredo do Departamento Central de Investigação e Ação Penal já tem 9 arguidos, sendo que 4 são pessoas singulares e 5 são colectivas.

Detidos desde 3 de fevereiro, os três arguidos viram o juiz Carlos Alexandre dar como fundamentados os fortes indícios apresentados pelo Ministério Público (MP) ao longo dos interrogatórios iniciados na última 5.ª feira, nomeadamente a alegada prática dos crimes de corrupção ativa no comércio internacional, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais.

No centro da investigação estão as atividades empresariais de José Veiga e de Paulo Santana Lopes na República do Congo, nomeadamente as relações do antigo empresário de futebol com o poder político daquele país africano liderado pelo presidente Denis Sassou Nguesso. O MP e a Polícia Judiciária (PJ) estão a investigar igualmente a origem alegadamente ilícita de fundos movimentados em negócios de “venda de produtos petrolíferos, celebração de contratos de fornecimento de bens e serviços e obras públicas”, segundo comunicado emitido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) emitido no dia 3 de fevereiro.

Recorde-se que a Operação Rota do Atlântico viu a luz do dia na última quarta-feira com mais de trinta buscas realizadas pela Polícia Judiciária a “domicílios e sedes de empresas mas também a uma instituição bancária e a três escritórios de advogados”, de acordo com o comunicado da PGR.

O Novo Banco foi a instituição financeira alvo de buscas, devido à operação de venda do Banco Internacional de Cabo Verde (ex-BES de Cabo Verde) que se preparava para concluir com um consórcio de investidores africanos liderado por José Veiga. No caso desta venda, tal como a PGR anunciou, estão em causa suspeitas da prática de participação económica em negócio e de tráfico de influência. Segundo notícia do Expresso no último sábado, Rui Guerra e António Duarte, administradores do banco cabo-verdiano detido pelo Novo Banco, serão suspeitos de terem passado informação privilegiada a José Veiga.

Banco de Portugal continua a estudar oposição a negócio de Veiga

Praticamente ao mesmo tempo que se conheciam as medidas de coação aplicadas a José Veiga e a Paulo Santana Lopes, o Fundo de Resolução emitiu um comunicado sobre o acordo polémico que foi feito entre o Novo Banco e o consórcio de investidores africanos liderados por José Veiga.

Recorde-se que o Fundo de Resolução (FR) é a entidade que financiou a medida de resolução aplicada pelo Banco de Portugal ao Banco Espírito Santo e que deu origem ao Novo Banco. O FR é financiado, por seu lado, pelas entidades financeiras que actuam no mercado nacional.

No comunicado, o FR faz questão de deixar igualmente claro que “a alienação dos ativos que integram o património do Novo Banco, ou a sua aprovação, encontra-se expressamente fora do âmbito de competências do Fundo de Resolução. Consequentemente, a lei não atribui ao Fundo de Resolução competências ou poderes para autorizar ou para se opor à operação de venda do BICV, pelo Novo Banco”, lê-se no comunicado.

Ao que o Observador apurou, essa espécie de direito de veto ao negócio acordado pela administração do Novo Banco compete ao Banco de Portugal, enquanto supervisor do sector financeiro e entidade que decretou a resolução

Tal como já foi noticiado pelo jornal “Público”, e o Observador confirmou esta tarde, o Banco de Portugal continua a analisar os fundamentos legais necessários para se opor ao negócio e impedir a venda do Banco Internacional de Cabo Verde ao consórcio liderado por José Veiga.

Nota: Rectificada informação sobre a medida de coação de Paulo Santana Lopes, arguido sujeito à medida de coação de obrigação de permanência na habitação vigiado pela Polícia de Segurança Pública e não com pulseira electrónica. Pelo erro apresentamos as nossas desculpas aos leitores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)