O atirador que foi morto pelas autoridades belgas era um argelino de 35 anos, Mohammed Belkaid, que estaria ilegal no país. Não estava referenciado pelos serviços secretos e o único incidente tinha sido um roubo em 2014. Durante a conferência de imprensa, os procuradores federais leram um comunicado, mas escusaram-se a perguntas adicionais dos jornalistas por ainda estarem a decorrer as investigações.

O indivíduo foi morto por um sniper quando se encontrava no apartamento a disparar contra a polícia. Duas pessoas terão conseguido fugir do local na altura. Numa busca ao local, depois de o atirador ter sido abatido foram encontrados 11 carregadores de kalashnikov e numerosas munições, mas não foram encontrados explosivos. O homem tinha com ele uma bandeira do autoproclamado Estado Islâmico e um livro do Salafismo – do movimento ortodoxo conservador do islamismo sunita.

Dois suspeitos de envolvimento foram detidos e outros dois estarão em fuga. Um dos indivíduos deu entrada num hospital durante a noite. Estava ferido e até ao momento ainda não pode ser interrogado pelas autoridades. Quem o levou ao hospital fugiu antes da chegada da polícia. Nas buscas no bairro Forest, em Bruxelas, a polícia identificou o edifício onde se escondia um dos indivíduos que foi detido.

A operação teve início com a busca num apartamento à procura de indícios relacionados com os atentados de Paris em novembro de 2015. A equipa era composta por quatro agentes belgas e dois franceses que entraram na casa pensando que se encontrava vazia, mas assim que abriram a porta foram recebidos com tiros, incluindo de uma kalashnikov. Dois polícias belgas e um francês ficaram feridos. Outro polícia foi ferido na cabeça, numa troca de tiros junto ao apartamento onde o atirador argelino foi morto.

Esta busca está incluída numa investigação que decorre desde os ataques de Paris. Os procuradores referiram que já fizeram 100 rusgas e já detiveram 58 pessoas, 30 delas relacionadas com os ataques.

Outros dados sobre o incidente em Bruxelas

  • Os dois detidos pela polícia poderão ser os irmãos Khalid e Ibrahim El Bakraoui, segundo o Dernière Heure;
  • Os dois suspeitos já seriam procurados pela polícia belga, um deles por atividades terroristas, o outro por uma pena que teria para cumprir;
  • O apartamento onde o tiroteio teve início estava alugado em nome de um cidadão de 27 anos, de nacionalidade belga e marroquina, conhecido por pequenos delitos e por ter alugado, com um nome falso, um apartamento em Charleroi onde se pensa que tenham estado os terroristas dos ataques de Paris, noticiou a televisão BTM TV.