O Papa Francisco irá celebrar o cerimonial do lava-pés nesta Quinta-feira Santa com refugiados e refugiadas de vários países e religiões.

A agência Ecclesia informa que a celebração tem início marcado para as 17:30 (16:30 em Lisboa), num centro de acolhimento de Castelnuovo di Porto, a norte da cidade do Vaticano.

Na cerimónia o Papa irá lavar os pés a oito homens e quatro mulheres. Entre os refugiados contemplados encontram-se três muçulmanos, três ortodoxos, um hindu e quatro católicos. Na cerimónia participará também uma funcionária italiana do centro. Os participantes são de diferentes nacionalidades, havendo nigerianos, sírios, paquistaneses e malianos.

O centro de acolhimento acolhe 892 pessoas, entre os quais 554 são muçulmanos e 239 cristãos. No centro encontram-se pessoas de 26 nacionalidades distintas.

Em declarações ao jornal do Vaticano, o arcebispo Rino Fisichella afirmou que o gesto de Francisco é “um sinal simples, mas eloquente” sobre a condição dos refugiados. É um “sinal de serviço e atenção à sua situação” acrescentou ainda o arcebispo.

Em 2015 a cerimónia foi celebrada pelo Papa numa prisão feminina e em 2014 deslocou-se a um centro destinado à reabilitação de pessoas com deficiências e idosos. No seu primeiro ano como pontífice, o Papa Francisco celebrou a cerimónia numa prisão juvenil, onde lavou os pés a dez rapazes e duas raparigas. Esta foi a primeira vez que um Papa incluiu mulheres no ritual que simboliza o ato de Jesus Cristo ter lavado os pés aos doze apóstolos após a Última Ceia.

Foi publicado pela Santa Sé, esta segunda-feira, um decreto que afirma que a celebração do lava-pés poderá começar a permitir a participação de mulheres