Programa de Estabilidade

Teodora Cardoso. Previsões optimistas dão “muito mau resultado”

696

O Conselho das Finanças Públicas mantém as críticas ao Programa de Estabilidade. Teodora Cardoso responde a João Galamba: não é ideologia, é "racionalidade económica".

TIAGO PETINGA/LUSA

Teodora Cardoso, presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), não tem dúvidas: as projeções que servem de base ao Programa de Estabilidade, “ainda mais do que realistas, devem ser prudentes”. E este está longe de ser o caso no documento entregue pelo Governo de António Costa à Assembleia da República, garante a economista.

Para o CFP, o Programa de Estabilidade tem por base um cenário macroeconómico excessivamente otimista, sobretudo no que toca à previsão da procura externa dirigida à economia nacional. A crítica já constava do parecer do organismo responsável por monitorizar as finanças portuguesas, mas foi esta terça-feira novamente frisada pela presidente do CFP, que esteve a ser ouvida na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no Parlamento.

O risco é, explica Teodora Cardoso, mais do que voltar a falhar previsões (um dado que tem sido a norma dos últimos anos) agravar a situação das finanças públicas nacionais:

A principal consequência é que, se a previsão é otimista, então não vale a pena fazer coisas que são necessárias. O resultado é adiar soluções.”

Daí que Teodora Cardoso defenda que o otimismo já “deu muito mau resultado” em Portugal. Ao adiar as medidas de consolidação orçamental durante muito tempo, as perspetivas excessivamente otimistas levaram a um caminho de excessivo endividamento público e privado, dependente de fontes de financiamento externo.

Perante as críticas de que o CFP avalia de acordo com uma “determinada ideologia” — uma acusação do socialista João Galamba, que Cristóvão Crespo, deputado do PSD, fez questão de recordar — a economista respondeu à letra:

Há uma ideologia: no sentido em que respeitamos a racionalidade económica.”

Teodora Cardoso reconheceu apenas que “a posição do CFP é a de que só políticas de procura não resolvem o problema da economia portuguesa”, tendo admitido que “se isto é ideologia”, então assume que é “ideológica”.

E de seguida deu exemplos de medidas que “não são nem de esquerda, nem de direita” e que falta colocar em prática, como é o caso da aplicação plena do plano oficial de contabilidade pública, que permitirá gerir melhor os gastos públicos, saindo da lógica de apenas cortar ou aumentar as despesas.

Estratégia de crescimento melhorou, mas falta dizer como

Apesar das críticas ao Programa de Estabilidade, Teodora Cardoso também trouxe um elogio aos planos do Governo. Enquanto no Orçamento do Estado para este ano o modelo de crescimento implícito tinha por base o consumo privado como motor de crescimento, no Programa de Estabilidade o motor passa a ser sobretudo o investimento e as exportações.

“A melhoria é muito nítida”, garante a presidente do CFP. O problema é que falta explicar como: “faltam as medidas que garantam que esta alteração vai acontecer”, lamenta Teodora Cardoso.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Défice Público

Desta vez foi diferente? /premium

Helena Garrido
106

Ouvimos vários governos durante as últimas mais de duas décadas prometerem-nos que agora sim, as contas públicas estão controladas. Será desta vez diferente?

FC Porto

João Félix (e youth league) /premium

João Marques de Almeida
145

Uma mensagem para todos os portistas. Vamos dar os parabéns ao Benfica, esquecer os árbitros, ganhar ao Sporting na final da Taça e apostar nos nossos jovens jogadores nas próximas épocas. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)