“Este é o momento de enfrentarmos o facto de esta ser a falência da União Europeia”. Em jeito de antecipação à X Convenção do Bloco de Esquerda, que se realiza este fim de semana, Catarina Martins abordou o resultado do referendo no Reino Unido.”Foi um dia triste para a Europa. O que a Europa mais tem tido são dias tristes”, afirmou coordenadora bloquista.

Em declarações aos jornalistas, Catarina Martins teceu duras críticas ao estado atual do projeto europeu: “As instituições e os tratados europeus não servem. Estão caducos. O resultado deste referendo acaba por confirmar isso mesmo”, sublinhou a porta-voz do Bloco de Esquerda.

Mesmo não escondendo a falta de “otimismo” em relação ao futuro da União Europeia, Catarina Martins deixou claro que “as tentações que podem existir agora de fazer uma corrida para a frente, de mais integração, de retirar mais soberania, será o pior dos resultados do Brexit”. Para a dirigente bloquista, “fazer dos países todos iguais é retirar a pior das lições de tudo o que acontece na União Europeia.”

O futuro da União Europeia não é risonho, admitiu Catarina Martins. “Julgo que estes tratados não servem. Dificilmente são reformuláveis. Estão caducos. Não servem. Só servem para criar mais e mais problemas na União Europeia. A direita na União Europeia falhou”, disse a porta-voz do Bloco.

Mesmo não se comprometendo diretamente com a realização, em Portugal, de um referendo para a saída do Euro, Catarina Martins reiterou que este é o momento de “lutar pela soberania democrática”. “Quando tudo falha não basta pensar um pequeno remendo”, atirou a coordenadora bloquista.