Supper club. Lá estão vocês com a mania dos anglicismos. Que diabo vem a ser isso?
Na verdade, a expressão é antiga, e era o que se chamava a uma classe de clubes noturnos, muitas vezes familiares, onde se podia comer, beber e apreciar espetáculos de diversa índole, não necessariamente por esta ordem, noite dentro, inclusive na época da Proibição. Isto nos Estados Unidos. Décadas mais tarde, a designação foi recuperada para ilustrar espaços — muitos deles casas particulares — que começaram a receber jantares à porta fechada sob reserva prévia, com um menu fechado e para uma lotação limitada.

Restaurantes clandestinos? Também conheço uns, ali na Mouraria…
Sei do que está a falar mas não é bem isso. Os supper clubs não são restaurantes, são casas que se abrem periodicamente, e não todos os dias, para receber convidados e servir-lhes, muitas vezes, um menu fixo, que tanto pode ser desenhado por chefs amadores, que no dia-a-dia têm outra profissão, como por profissionais de cozinha interessados em proporcionar experiências alternativas às que os seus restaurantes permitem.

E em qual desses casos se insere este Once Upon a Table?
Neste caso, os anfitriões são dois chefs, André Freire e Bernardo Agrela. O primeiro, formado na Le Cordon Bleu londrina, trabalha, atualmente, na cozinha do Boi-Cavalo. O segundo acaba de chegar a Portugal depois de ter estado nas Maldivas a alimentar os clientes de um resort. Ambos passaram por Londres e foi lá, no supper club do chef português Nuno Mendes, o The Loft, que se conheceram. Também terá sido lá, segundo recordam, que falaram pela primeira vez na possibilidade de criar um projeto do género em conjunto.

Once Upon a Table, Supper Club

André Freire prepara o tártaro de carapau alimado com maçã verde, um dos pratos que será servido neste primeiro jantar. (foto: © Divulgação)

Mas o The Loft já não aconteceu há já uns anos?
Verdade: aconteceu em duas fases, de 2009 a 2012. Antes da abertura do Viajante (o restaurante de Nuno Mendes que viria a ganhar uma estrela Michelin), funcionava como um supper club mais clássico, se bem que com uma componente artística sempre associada. Depois, a partir de 2010, passou a chamar-se The Loft Project e a funcionar como um ateliê/residência para chefs de alguns dos melhores restaurantes do mundo, que ali podiam desenvolver e apresentar os seus menus.

Once Upon a Table, Supper Club

Bernardo Agrela tem 27 anos. Além de ter passado opor Londres, revela tendência por gostar de comandar cozinhas em sítios paradísiacos: Maldivas e Seychelles foram dois dos países onde já trabalhou. (foto: © Divulgação)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Então a ideia é antiga. Nesse caso, porquê só agora a concretizam?
Porque, dizem, só agora é que estão ambos em Lisboa. “Eu tinha chegado há pouco tempo e queria criar o meu próprio projeto, falei com o André e decidimos que era tempo de pôr a ideia em prática. Como os jantares cá em casa correm bem…”, conta Bernardo.

Posso dizer, então, que o Once Upon a Table será o The Loft lisboeta?
Pode dizer o que quiser, que estamos num país livre. Mas sim, essa é a vontade dos chefs. E não se trata tanto de copiar o conceito mas antes de dar a Lisboa, com este projeto, aquilo que Nuno Mendes deu a Londres com o dele.

Supper Club, Once Upon a Table

Dumplings de Lula Recheada, Pak Choi, Caldo de Miso e Amêndoa, outra das receitas da dupla para provar dia 21. (foto: © Divulgação)

Há uma coisa que me intriga: porque é que decidiram criar um supper club e não um restaurante?
Primeiro, porque Bernardo e André garantem que são especialistas nisto de dar jantares em casa: “Tanto cá como lá quando alguém vem comer a nossa casa diz que não é um jantar normal em casa de amigos… é outra mística”, dizem. Depois, porque gostam da flexibilidade do conceito. “A magia é podermos ser um camaleão. O fator surpresa, a adaptabilidade e a interação com públicos diferentes é algo que nos interessa explorar, mantendo sempre a nossa identidade: servir (o que acreditamos ser) comida boa e saborosa”, explicam.

Pergunto isto porque não costumo ouvir falar em supper clubs lisboetas…
Isso pode ser, em parte, por estar desatento. Lá que los hay, los hay, casos do 28A ou do The Blind Tiger Society. Mas também pode ser porque é um conceito que nunca surgiu em massa em Lisboa, ao contrário de outros importados das mesmas paragens. Os supper clubs que aqui foram surgindo, alguns deles pelas mãos de chefs que hoje estão à frente de restaurantes, (Vítor Claro, do Claro, teve o Green Caterpillar, e Yuko Yamamoto, da Tasca Kome, o Kome Escondido, por exemplo), acabaram por ir desaparecendo ao fim de algum tempo. Não é um conceito que costume durar por aí além.

Once Upon a Table, Supper Club

André Freire é o mais velho dos dois. Tem 36 anos, estudou na Le Cordon Bleu londrina e trabalhou nas cozinhas de Heston Blumenthal, Chris Galvin e Nuno Mendes. Atualmente, empresta os dotes no Boi-Cavalo. (foto: © Divulgação)

E isso não assusta os chefs?
Também lhes perguntei isso. Mas parece que não. Eis o que responderam: “Não assusta de todo…o que é se perde em tentar? O não tentar fazer é que assusta. Atualmente, em pequena escala, conseguimos operar com o mesmo rigor, qualidade e garantias de segurança alimentar do que numa cozinha profissional, isso para nós é tão ou mais importante do que a durabilidade dos supper clubs.”

Este primeiro jantar é n’O Apartamento, certo?
Certíssimo, dia 21 de julho (quinta-feira) às 20h, para um grupo de cerca de 15 pessoas.

E os outros?
Os outros serão noutros espaços. Bernardo e André já têm umas ideias em relação a isso mas dizem que “o mistério faz parte da coisa.” Sejam quais forem os locais escolhidos terão que obedecer à carta de intenções da dupla: “criar um sítio para comer comida cool numa ‘bolha’, proporcionando ao cliente uma experiência única e irrepetível, quer no menu, quer no espaço físico.”

Once Upon a Table, Supper Club

Uma versão contemporânea de um clássico do receituário português: ervilhas com ovos escalfados. Neste caso com ervilhas, hortelã, presunto ibérico, crumble e um ovo a baixa temperatura. (foto: © Divulgação)

Por falar em menu, já se sabe o que se vai comer e beber neste primeiro jantar?
Já, pois. Ora atente (os pontos e vírgula separam cada prato): Croquete de Cozido, Mostarda Savora; Peixe Curado, Wasabi, Gengibre; Dumplings de Lula Recheada, Pak Choi, Caldo de Miso, Amêndoa; Tártaro de Carapau Alimado, Maça Verde, Manjericão; Ervilhas, Hortelã, Ovo BT, Presunto Ibérico, Crumble; Peixe Braseado, Puré de Amendoim, Crumble de Areias de Canela e Anis; Alcatra a Baixa Temperatura, Cerejas, Cebolas, Mostarda; Churros, Alfarroba, Chocolate. Para beber há vinhos Rubrica.

O menu parece criativo q.b.
Se fosse para fazer bitoques e pataniscas não era preciso isto tudo. A ideia dos chefs é que o Once Upon a Table seja aquilo a que chamam o seu “laboratório de ideias”, onde possam, entre outras coisas, aprender e testar ideias para outros projetos.

O quê? Primeiro jantar Once Upon a Table
Onde? N’O Apartamento, Avenida Duque de Loulé, 1, 5ºDto (Picoas), Lisboa
Quando? 21 de julho às 20h
Quanto? 59€ por pessoa, vinho incluído
Reservas? info@oapartamento.com
Mais informações? info.onceuponatable@gmail.com