Rádio Observador

Aníbal Cavaco Silva

Almoço de homenagem. “Os amigos de Cavaco”

943

Quase 90 pessoas reuniram-se este sábado, nas Cavalariças do Pestana Palace, em Lisboa, para prestar reconhecimento ao ex-Presidente da República. São amigos e ex-colaboradores que o admiram.

O ex-Presidente Cavaco Silva e o atual Presidente Marcelo Rebelo de Sousa conversaram a sós alguns minutos

Termómetros nos 35º, um sol abrasador, Leonor Beleza, no seu vestido vermelho, começa a receber os primeiros convidados. O encontro estava marcado para as 13h00, nas Cavalariças do Pestana Palace. Começam a chegar “os amigos de Cavaco”, nas palavras de Leonor Beleza, aqueles a quem o ex-presidente da República deve um “muito obrigado”, por ter tido uma “longa carreira política”, conforme reconheceria, minutos mais tarde, o próprio professor.

E quem são alguns dos “amigos de Cavaco”? A lista é comprida, não estiveram presentes todos, mas chega perto das nove dezenas e são personalidades destacadas na vida política, económica e social do país. Entre outros, Ramalho Eanes, o primeiro presidente da República eleito por sufrágio universal direto, o neurocirurgião João Lobo Antunes, o ex-ministro da Presidência Luís Marques Guedes, a deputada social-democrata Teresa Morais.

Havia também banqueiros. Muitos: Fernando Faria de Oliveira, ex-presidente da CGD e atual presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), Vítor Bento, que esteve à frente do Novo Banco, Fernando Ulrich, presidente executivo do BPI, Paulo Teixeira Pinto, ex-presidente do Millennium BCP, Norberto Rosa, atualmente consultor do conselho de administração do Banco de Portugal, mas ex administrador e ex-vice-presidente da comissão executiva da Caixa e ex-vice-presidente do BPN.

Ainda no grupo dos economistas, esteve Miguel Beleza. Outro amigo presente foi o comissário europeu para a investigação, ciência e inovação, Carlos Moedas. O ex-ministro de Cavaco Silva, Álvaro Barreto, também marcou presença. Já Manuela Ferreira Leite, ex-ministra das Finanças, faltou, por um imprevisto.

Quando o ex-presidente da República, Cavaco Silva, chegou, às 13h16, já estavam presentes quase todos os amigos. De mão dada à mulher, Maria Cavaco Silva, dirigiu-se a Ramalho Eanes, para o abraçar. No jardim, bebia-se água, vinho branco e sumo de laranja. Comiam-se umas batatas fritas, como aperitivo antes do almoço.

Apenas quatro minutos depois de Cavaco, chegou Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, que fez questão de se associar à iniciativa.

Esteve cerca de cinco minutos à conversa com Cavaco Silva, atento, uma ou outra risada pelo meio. De seguida, atendeu aos apelos dos jornalistas, para reforçar a solidariedade com a Alemanha, na sequência do ataque que vitimou dez pessoas em Munique.

IMG_0374 (1)

Depois, e sem rodeios, chamou ao “encontro de amigos”, conforme a organizadora Leonor Beleza fez sempre questão de lhe chamar, uma “homenagem ao Presidente Cavaco Silva”.

Vim associar-me à homenagem ao Presidente Cavaco Silva, não esquecendo os anos em que foi primeiro-ministro, mas em particular ao Presidente pelo serviço ao país”, disse.

E desdramatizou as coincidências: é que no que toca a homenagens o dia ainda ia a meio. “Estarei hoje também na homenagem ao Presidente Mário Soares e promovi, como sabem, uma homenagem primeiro ao presidente Ramalho Eanes”, frisou, explicando que se trata do “reconhecimento da continuidade institucional da presidência e do papel fundamental dos presidentes da República para a democracia portuguesa”, sem se esquecer de nomear Jorge Sampaio.

Não ficou para o almoço, que tinha o dia cheio de cerimónias — ainda ia para um casamento. Perdeu bacalhau com batatas e legumes, servido numa sala fresca, para compensar o escaldão do jardim.

Desafiado pelos jornalistas logo de seguida, Cavaco Silva passou a vez: “Boa tarde”, disse, seguindo para o fresco da sala que estava preparada para o almoço. Mais tarde, no seu discurso, teria tempo de argumentar que nem sempre é bom comentar tudo:

Há muita coisa que não se sabe [da forma como exerceu a Presidência] porque tomei a decisão de manter muita coisa reservada por convicção de que essa era a melhor forma de manter o superior interesse nacional.”

Antes da refeição, discursou primeiro Leonor Beleza, homenageando Cavaco e o seu contributo político para o que “Portugal é hoje, no que nos orgulhamos”, ressalvou. O professor ouviu o discurso sentado à mesa, sempre de costas. Mas no final levantou-se para abraçar Leonor Beleza, deixando escapar alguma emoção.

No seu discurso, recuou aos principais momentos que marcaram a história política e económica portuguesa enquanto foi primeiro-ministro e Presidente da República.

Fui um privilegiado, um homem de sorte, embora se diga as vezes que a sorte da muito trabalho.”

Congratulou-se por ter sido presidente entre 2006 e 2016, “um tempo difícil, complexo, de profundas crises em Portugal”, notou. Sem falsas modéstias, frisou: “Em que outro tempo teria sido mais útil para o meu país a minha experiência como primeiro-ministro, o meu conhecimento de economia e finanças, o meu conhecimento das instituições europeias? Não consigo ver outro e portanto foi o tempo certo para ter sido Presidente da República.

Foi aplaudido de pé. Já passava das 14h00, era tempo de começar a refeição. Já no final, mesmo antes de serem servidas as sobremesas, chegou Passos Coelho, vindo da Costa da Caparica, depois de cumprir o dever partidário numa ação da JSD. “Fiz questão de dar o meu testemunho de estima e reconhecimento pela personalidade política que Cavaco Silva tem sido”, disse. E lembrou: “Foi o único que conseguiu maiorias absolutas repetidas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Política

Manual de evasão governamental /premium

Rui Ramos
527

A estagnação da economia e a estatização da sociedade tinham de dar nisto, numa política reduzida a um círculo fechado de amigos e de parentes. Mas em vez de enfrentarmos isso, ataquemos Cavaco Silva.

Governo

Como impedir o "bingo da trafulhice"? /premium

Luís Rosa
238

Podemos mesmo confiar em políticos que não quiseram defender a transparência e querem agora construir às três pancadas' uma lei para evitar novos familygate? Só pode ser uma receita para o desastre.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)