Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, falou em Estrasburgo sobre o estado da União Europeia (UE) perante a sessão plenária, esta quarta-feira de manhã. Durante o seu discurso, abordou o Plano Juncker, o Brexit, a criação de um quartel-general europeu e o preço do leite e da água.

Sobre o Plano Juncker

O presidente da Comissão Europeia quer duplicar a capacidade do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (Plano Juncker) para 630 mil milhões de euros.

“Propomos hoje a duplicação da duração e da capacidade do nosso fundo de investimento”, disse Juncker, fixando um objetivo de 630 mil milhões de euros até 2020, face aos 315 mil milhões previstos, em 2015, para três anos.

Juncker lembrou que este “investimento significa empregos”.

Sobre o Brexit

O presidente da Comissão Europeia afirmou que a UE não está em perigo com a decisão do Reino Unido de abandonar o bloco europeu: “Respeitamos a decisão britânica, que lamentamos, mas esta não ameaça a existência da UE”.

O presidente da Comissão Europeia reiterou que quer negociar o Brexit tão rapidamente quanto possível e sublinhou, mais uma vez, que se Londres quer continuar a participar no mercado comum terá que respeitar todas as regras de liberdade de circulação.

“Há fraturas, rachas e fragmentações que alimentam os fenómenos de populismo”, disse Juncker, salientando que “o populismo não resolve os problemas, cria problemas”.

O presidente da Comissão Europeia adiantou ainda que “a UE não pretende substituir-se aos Estados nacionais”.

Sobre a criação de um quartel-general europeu

O presidente da Comissão Europeia mostrou preocupação quanto à segurança dentro das fronteiras da União Europeia e sugeriu a criação de um “quartel-general único na UE”.

“A Europa não pode continuar a depender apenas da potência e capacidade militar dos países individuais, devemos assumir juntos a proteção dos nossos interesses, é preciso que criemos um quartel-general único na União Europeia”, referiu Juncker.

“Não temos uma estrutura permanente e, sem esta, não temos capacidade para funcionar eficientemente”, disse, traçando ainda o objetivo de “trabalhar para uma força militar comum”. O quartel-general deverá situar-se em Bruxelas e ser “complementar à NATO”. Para Juncker, “mais defesa europeia não significa menos solidariedade transatlântica”.

Sobre o preço do leite e da água

Juncker explicou ainda não admitir que o leite seja vendido a um menor preço do que a água, garantindo os apoios de Bruxelas aos agricultores em crise.

“O setor leiteiro foi afetado pelo embargo da Rússia e a Comissão Europeia mobilizou montantes significativos para ajudar os agricultores”, disse o presidente da Comissão Europeia.

Não aceito que o leite seja vendido a um preço mais baixo do que a água.”

Portugal vai receber um montante que atinge quase quatro milhões de euros. Esta verba faz parte da primeira tranche de apoios de Bruxelas, no valor global de 350 milhões de euros, que será repartida pelos 28 Estados-Membros. Uma segunda tranche, no valor de 150 milhões, será utilizada para premiar os produtores que aceitarem reduzir a produção.