Guia Michelin

Quem serão as novas estrelas Michelin portuguesas?

1.280

Faltam dois meses para o anúncio das estrelas Michelin de Portugal e Espanha para 2017. Boa altura para seleccionar 12 restaurantes que podem receber a distinção pela primeira vez. Vamos a apostas?

23 de novembro de 2016. A data soará familiar a qualquer chef a trabalhar em Portugal ou Espanha com aspirações a receber uma estrela Michelin. Estarão, por certo, gravados os lembretes, marcadas as agendas, assinalados os calendários. Porque será nessa noite, em Girona, que a marca francesa de pneumáticos vai anunciar as estrelas atribuídas na península ibérica e territórios autónomos para o ano vindouro.

É sabido que os inspetores ao serviço do Guia Michelin gostam de manter o segredo. E também é sabido que apreciam surpresas. Por isso, é normal que muitas previsões anuais, por abrangentes e ponderadas que sejam, acabem por cair em saco roto após a divulgação dos resultados. Ainda assim, vale a pena arriscar. Mesmo que seja impossível decifrar os critérios que levam a marca a premiar 195 restaurantes em Espanha contra apenas 14 em Portugal (dados de 2015). Justificar-se-á essa diferença abismal?

É provável que não se justifique. Mas também é provável que esta venha a ser ligeiramente mitigada nos próximos tempos. Sabe-se que a Michelin tem dado atenção crescente ao mercado nacional nos últimos tempos. Tanto que se falou, inclusive, na possibilidade da gala deste ano decorrer em Portugal. Contudo, ainda não foi desta. Pode ser, no entanto, que surja finalmente uma terceira estrela para Ocean ou Belcanto, atingindo assim o topo da hierarquia Michelin, que o L’And recupere a estrela que perdeu o ano passado e que haja uma chuva de novas estrelas Michelin um pouco por todo o país. Estes 12 restaurantes serão, por uma razão ou várias, candidatos a receber, pela primeira vez, a distinção:

Alma

Rua Anchieta, 15 (Chiado), Lisboa. 21 347 0650. www.almalisboa.pt

ALMA53666

A favor: A localização, o espaço, a consistência e criatividade de Henrique Sá Pessoa e respetiva equipa. O chef e os seus sócios apostaram forte neste projeto e a obtenção da estrela é, desde o início, um objetivo assumido.

Contra: O Alma abriu apenas no final de 2015 e sabe-se que os inspetores gostam de restaurantes com maior tempo de vida. Ainda assim, é um projeto com um grupo forte por trás e estabilidade garantida.

Veredicto

Será, talvez, o mais forte candidato lisboeta à estrela Michelin. O chef Henrique Sá Pessoa tem feito por isso, procurando constantemente, inovar, como no caso do menu Costa a Costa, de inspiração 100% marítima.

Loco

Rua dos Navegantes, 53B (Lisboa). 21 395 1861. www.loco.pt

LOCOrestaurante124

A favor: Alexandre Silva, o chef, é talentoso e criativo — e já não é de hoje. A equipa que o rodeia, com destaque para o pasteleiro Carlos Fernandes e para o escanção Sérgio Antunes também dão valor acrescentado ao restaurante. O espaço é bonito. Mas a grande mais-valia do Loco é a experiência disruptiva que oferece, em menus de 14 e 18 momentos.

Contra: A grande mais-valia do Loco pode também ser o seu calcanhar de Aquiles no que respeita ao guia. O conservadorismo dos inspetores pode não se coadunar com alguns momentos mais arriscados dos menus . O facto de ser uma novidade de 2016 também pode pesar na apreciação.

Veredicto

Saber se o Loco vai ganhar uma Estrela Michelin depende mais da vontade dos inspetores do Guia em ir além dos cânones conservadores da instituição do que das qualidades do restaurante, que são indiscutíveis.

Kanazawa

Rua Damião de Góis, 3A (Algés), Lisboa. 21 301 0292. kanazawa.pt

kanazawa2 (1)

A favor: O Japão é o país que lidera o ranking Michelin, com quase 500 restaurantes dignos de estrela(s). Ora o Kanazawa é o mais próximo que pode haver de um restaurante tradicional japonês em Lisboa, com toda a cerimónia, técnica e cuidados necessários a essa associação.

Contra: Não seria inédito a Michelin premiar um restaurante japonês na península ibérica — o Kabuki tem-na, em Madrid, tal como o Koy Shunka em Barcelona — mas não é linear que o queira fazer em Lisboa. Sobretudo sendo o Kanazawa uma casa tão discreta, com apenas oito lugares sentados e marcação exclusivamente online.

Veredicto

Se existem quase 500 restaurantes com estrela Michelin no Japão, custa muito a crer que o Kanazawa não preencha os requisitos mínimos para ser distinguido em Portugal. Mas os critérios variam…

LAB by Sergi Arola

Penha Longa Resort, Estrada da Lagoa Azul (Alcabideche), Cascais. 21 924 9011. www.penhalonga.com

LAB restaurant11

A favor: As contas são fáceis de fazer: se o recém-encerrado (mais sobre isto à frente) restaurante de Sergi Arola em Madrid merecia duas estrelas Michelin, o da Penha Longa há-de merecer, pelo menos, uma. A carta é em tudo semelhante, a execução e o serviço são mais do que competentes e a vista para o campo de golf dispensa adjetivos.

Contra: Sergi Arola acaba de fechar o seu restaurante de Madrid, o que pode levantar alguma instabilidade em relação ao futuro do LAB. Mais: os inspetores da Michelin podem desconfiar do real envolvimento de Sergi Arola no projeto — afinal o chef dá/deu nome a uma série de restaurantes no mundo inteiro.

Veredicto

A cozinha de Sergi Arola é conhecida dos responsáveis pelo Guia. Até ao recente encerramento da sua casa madrilena, seria natural a atribuição, ao LAB, de pelo menos uma estrela. Agora talvez se levantem dúvidas sobre o futuro do restaurante do Penha Longa Resort.

Vista

Bela Vista Hotel & Spa. Avenida Tomás Cabreira (Praia da Rocha), Portimão. 282 460 280. vistarestaurante.com

pratovista157

A favor: Se já em 2015 foi falado como candidato à estrela, este ano, com mais tempo de trabalho do chef João Oliveira, tem maiores hipóteses de conseguir a distinção. Fica num hotel de cinco estrelas e numa região, o Algarve, que é bastante visitada pelos inspetores do Guia.

Contra: O Algarve tem a maior concentração de Estrelas Michelin do país inteiro (oito estrelas em seis restaurantes) e os inspetores podem considerar que vale mais a pena investir noutras regiões.

Veredicto

A par do Alma é um forte candidato nacional à estrela Michelin este ano. Seria surpreendente ver a cozinha de João Oliveira de fora do Guia, tendo em conta o contexto e o trabalho que tem vindo a desenvolver.

Gusto by Heinz Beck

Conrad Algarve, Estrada da Quinta do Lago, Almancil, Algarve. 289 350 700. www.conradalgarve.com

Restaurante Gusto

A favor: É o único restaurante em Portugal de um chef com três estrelas Michelin, Heinz Beck, que tem uma equipa italiana em permanência a representá-lo. Tem havido, ultimamente, um maior trabalho de dinamização e comunicação do restaurante que pode contribuir para o reconhecimento do Guia. E fica em Almancil, onde abundam as estrelas Michelin.

Contra: O facto de abundarem as estrelas Michelin em Almancil também pode jogar contra o restaurante: será que ainda há espaço para uma nova entrada no Guia? Por outro lado, até que ponto estará Heinz Beck de facto envolvido no dia-a-dia do restaurante?

Veredicto

Almancil foi, durante anos a fio, destino querido aos inspetores do Guia Michelin em Portugal, tal a quantidade de estrelas atribuídas a restaurantes da zona. Se tal se mantiver, o Gusto é candidato à estrela.

Esporão

Herdade do Esporão, Reguengos de Monsaraz. 266 509 280. www.esporao.com

ESPORAO-RESTAURANTE11

A favor: O trabalho do jovem Pedro Pena Bastos, um dos mais promissores chefs nacionais, à base de produtos locais e sazonais, a maioria vindos da própria Herdade, tem sido muito elogiado pela crítica. Pode assim repetir-se o fenómeno que levou o L’And — também ele inserido numa herdade vinícola alentejana — a ganhar a estrela Michelin em 2014.

Contra: A juventude de Pedro Pena Bastos — que tem apenas 25 anos — e o facto de este praticar uma cozinha sazonal, muito ligada à terra, que implica (e bem) alterações frequentes no menu, o que nem sempre é do agrado dos inspetores mais conservadores do Guia Michelin.

Veredicto

Se dependesse da crítica nacional, Pedro Pena Bastos e o restaurante da Herdade do Esporão já tinham garantida a estrela Michelin. Resta saber se os inspetores do Guia lhes reconhecem as mesmas valências.

Antiqvvm

Rua de Entre Quintas, 220 (Vila Nova de Gaia). 22 600 0445. antiqvvm.pt

antiqvvvm395

A favor: O chef Vítor Matos é conhecido dos responsáveis pelo Guia graças ao trabalho desenvolvido na Casa da Calçada, em Amarante. O cenário exterior do Antiqvvm, em pleno Solar do Vinho do Porto, não fica atrás da cozinha e o facto de o Porto (e arredores) ser um destino na moda a nível mundial também pode beneficiar esta candidatura.

Contra: O Antiqvvm é um restaurante relativamente recente, abriu no final de 2015. Talvez precise de mais tempo para os inspetores o considerarem. Outro ponto a considerar é o envolvimento do chef noutros projetos — caso, por exemplo, do 505 –, algo que nem sempre é bem visto pelos responsáveis do Guia.

Veredicto

Seria uma surpresa ver o Antiqvvm ganhar a sua primeira estrela Michelin já este ano. Mas atenção: o chef tem pergaminhos na matéria e o cenário é muito convidativo, por isso não será de afastar totalmente a hipótese.

Palco

Hotel Teatro, Rua Sá da Bandeira, 84 (Baixa). 220 409 620. www.hotelteatro.pt

RESTPALCO

A favor: O chef Arnaldo Azevedo tem desenvolvido um trabalho sério e consistente no restaurante do Hotel Teatro. Segundo revelou em entrevista à Time Out, terá sido visitado três vezes no último ano pelos inspetores do Guia. Mais uma vez, o recente despertar europeu para o potencial turístico do Porto também pode jogar a favor da distinção.

Contra: Seria a primeira vez em Portugal que se atribuiria estrela Michelin ao restaurante de um hotel de quatro estrelas. Falta, também, alguma projeção maior, mesmo a nível nacional, ao restaurante, apesar da organização de alguns eventos, como o Chefs ao Palco.

Veredicto

Apesar de o seu nome nem sempre vir à baila, pode ser uma das surpresas do Guia Michelin. Segundo o chef Arnaldo Azevedo, as visitas dos inspetores aconteceram mesmo, resta saber se foram bem-sucedidas.

Casa de Chá da Boa Nova

Avenida da Liberdade, Leça da Palmeira. 22 994 0066 / 93 249 9444. ruipaula.com

casachaboanova23

A favor: Rui Paula é um chef com tempo de antena e provas dadas, a quem foi confiada a missão de levar uma estrela Michelin ao belíssimo monumento nacional assinado por Álvaro Siza Vieira que é esta Casa de Chá da Boa Nova. As críticas têm sido, regra geral, positivas e o bom momento do Porto (que se arrasta às zonas limítrofes) pode ajudar à festa.

Contra: Apesar da intenção assumida de ganhar a estrela, Rui Paula é um chef que não cede nos seus princípios e que gosta de trabalhar, em primeiro lugar, para os seus clientes. Por o facto de estar concentrado em vários projetos ao mesmo tempo, não só na restauração mas também televisivos, pode trazer alguma inconstância ao restaurante.

Veredicto

Num Guia Michelin de Arquitetura, a Casa de Chá da Boa Nova levava três estrelas de caras. Sendo este um guia gastronómico, é preciso que a cozinha de Rui Paula, na sua vertente mais experimental, tenha agradado aos inspetores do Guia.

Cave 23

Torel Palace, Rua Câmara Pestana, 23 (Lisboa). 21 829 8071 / 93 404 0003. cave23.pt

cave_23-26-1024x683

A favor: A cozinha da jovem Ana Moura, discípula de Elena Arzak, tem sido uma agradável surpresa em Lisboa, num restaurante também ele interessante do ponto de vista arquitetónico — apesar de ser uma cave não lhe falta luz natural.

Contra: Talvez seja muito prematuro considerar o Cave 23 pronto para estas andanças. Ana Moura ainda está a crescer como profissional, o Cave 23 como restaurante de fine dining e Lisboa é uma cidade cheia de opções neste campeonato.

Veredicto

Se os responsáveis pelo Guia quisessem surpreender, no que respeita a Lisboa, podiam apontar para o Cave 23. Mas atenção: trata-se de um long shot, por muito promissor que se considere o futuro de Ana Moura.

Claro

Avenida Marginal, Curva dos Pinheiros, Hotel Solar Palmeiras (Paço de Arcos). 21 441 4231. www.restauranteclaro.com

CLARO TP17

A favor: Vítor Claro é um dos melhores executantes a nível nacional e tem no portfólio alguns clássicos de assinatura, casos do seu bacalhau à Conde da Guarda ou do raviolo em homenagem a Santi Santimaria (com quem trabalhou). O cenário, em plena Marginal, com vista para um rio que já vai sendo mar também é apetitoso.

Contra: O Claro esteve fechado vários meses para um restyling interior, o que pode ter impedido uma eventual visita dos inspetores. E não tem sido, pelo menos que se saiba, um restaurante na cogitação do Guia, apesar do seu indiscutível valor.

Veredicto

É uma das melhores cozinhas fine dining da Grande Lisboa, com estética, conceito e contraste de sabores. Apesar de ter estado encerrado por um período este ano podia ser uma agradável surpresa no Guia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)