Rádio Observador

Casa Branca 2016

“Not my president”. Dezenas de detenções em protestos contra Trump

255

Uma autoestrada em Los Angeles continua bloqueada devido aos protestos anti-Trump. Milhares de protestantes saíram às ruas noutras cidades como Nova Iorque, onde já foram detidas 30 pessoas.

AFP/Getty Images

Autores
  • Hugo Tavares da Silva
  • Agência Lusa

Uma autoestrada em Los Angeles está bloqueada, desde a madrugada desta quinta-feira, devido aos protestos anti-Donald Trump, o 45º presidente eleito, conta o LA Times. Milhares de pessoas obrigaram ao corte do trânsito provocando vários quilómetros de fila. Os protestos estendem-se a outras cidades norte-americanas e já houve, pelo menos, 30 detenções só em Nova Iorque.

O protesto em Los Angeles começou pelas 22h15 locais (3h15 em Portugal), com 300 pessoas a acorrerem à 101 Freeway, a autoestrada perto de Alameda Street. Os manifestantes, maioritariamente jovens, gritavam frases como “Não é o meu Presidente”, “Respeito pelas mulheres”, “Nós rejeitamos o Presidente eleito”.

Há muita polícia espalhada pela autoestrada de Los Angeles, onde se veem bandeiras dos Estados Unidos e também do México. Algumas bandeiras norte-americanas já foram, inclusive, queimadas. Os protestos, contudo, não começaram apenas ali. Donald Trump está a ser contestado em vários pontos do país, como Nova Iorque, Chicago, Washington, New Orleans, Boston, San Francisco, Oakland, Portland e St. Paul, como conta o Financial Times.

Os protestos em Nova Iorque

Em Nova Iorque, também milhares de pessoas participaram, esta noite, em duas manifestações, com ambos os protestos a confluírem frente à torre com o nome do magnata.

Os manifestantes, na sua maioria jovens, foram convocados por grupos sociais e políticos de esquerda. Os manifestantes exibiram cartazes com lemas como “Não é o meu Presidente” (“Not my President”) ou “Parem Donald Trump (“Stop Donald Trump”).

Iniciadas com centenas de pessoas, as duas marchas foram ganhando adeptos e terão concentrado cerca de 2.000 manifestantes em frente à Trump Tower, segundo os números avançados pela imprensa local e citados pela agência espanhola Efe. Ainda de acordo com a mesma agência, já foram detidas, pelo menos, 30 pessoas nesta cidade, por perturbações à ordem pública.

Embora a maioria dos protestos tenham decorrido sem incidentes, em Oakland (Califórnia) parte dos 6.000 manifestantes estimados pela polícia formaram barricadas e atearam-lhes fogo. Alguns entraram em confrontos com os agentes numa tentativa de cortarem o trânsito numa via rápida (estrada interestadual 90).

Imagens de televisão mostraram alguns manifestantes entre a multidão a arrastarem objetos, incluindo caixotes do lixo, para alimentar uma fogueira na rua. Em Richmond (Virgínia), manifestantes partiram janelas da sede do Partido Republicano, tendo a polícia efetuado uma dezena de detenções. Em Nova Orleãoes (Luisiana), queimaram um boneco de Trump e partiram janelas de alguns edifícios, como bancos.

Paralelamente a isto, na noite de quarta-feira, houve ainda um tiroteio perto das manifestações que estão a decorrer em Seattle e que causou cinco feridos, dois deles em estado crítico, mas estáveis. No entanto, segundo as autoridades policias, citadas pela Reuters, este acontecimento nada teve a ver com as manifestações que estão a decorrer.

Donald Trump é o 45.º Presidente dos Estados Unidos, depois de vencer a candidata do partido democrata, Hillary Clinton, nas eleições presidenciais disputadas na terça-feira. Trump conquistou 289 mandatos eleitorais, contra 218 de Clinton, ultrapassando os 270 mandatos necessários para vencer a eleição.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)