Fidel Castro

Nome de Fidel Castro não vai ser usado para designar locais públicos

Nome e figura de Fidel Castro não vão ser utilizados em lugares públicos, ruas ou praças, nem serão erigidos em sua memória monumentos, bustos ou estátuas, por desejo expresso do líder.

Cinzas srão enterradas hoje no cemitério de Santa Ifigenia de Santiago

ERNESTO MASTRASCUSA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O nome e a figura de Fidel Castro não vão ser utilizados em lugares públicos, ruas ou praças, nem serão erigidos em sua memória monumentos, bustos ou estátuas, por desejo expresso do falecido líder revolucionário, disse hoje o Presidente cubano.

“O líder da revolução rejeita qualquer tipo de manifestação de culto à personalidade e manteve essa atitude até às suas últimas horas de vida”, disse Raul Castro num discurso de homenagem ao seu irmão Fidel, realizado na cidade de Santiago de Cuba.

Segundo o Presidente cubano, a vontade de Fidel foi a de que, após a sua morte, o seu nome e figura nunca sejam utilizados para designar instituições, praças, parques, ruas, avenidas ou locais públicos.

Contidas numa arca de cedro envolta na bandeira cubana e protegida por uma caixa de vidro, as cinzas fizeram o trajeto efetuado em sentido inverso por Fidel Castro no momento da vitória da sua guerrilha em 1959.

Serão enterradas hoje no cemitério de Santa Ifigenia de Santiago, ao lado do mausoléu de José Marti, herói da independência de Cuba.

O funeral rematará o luto nacional decretado por nove dias após a morte de Fidel, aos 90 anos, anunciada dia 25 pelo seu irmão e sucessor Raul Castro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

4 de dezembro, 2016

Vasco Pulido Valente
2.513

Tudo visto e considerado, a verdade não se vende e não dá emprego a ninguém. Os senhores que nos governam estão, portanto, autorizados a mentir a toda a gente.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)